Cleópatra tinha um gato?

Cleópatra tinha um gato?
David Meyer

Várias divindades egípcias antigas, como Sekhmet, Bastet e Mafdet (representando o poder, a fertilidade e a justiça, respetivamente), foram esculpidas e representadas com cabeças de gato.

Os arqueólogos acreditavam que os gatos tinham sido domesticados no antigo Egipto, na época dos faraós, mas em 2004 foi encontrado na ilha de Chipre um enterro conjunto de um humano e um gato com 9.500 anos [1], o que sugere que os egípcios domesticaram os gatos muito antes do que se pensava.

É possível que Cleópatra tivesse um gato como animal de estimação, mas não há qualquer referência a este facto nos relatos contemporâneos.

É importante notar que a sua vida foi fortemente romantizada e mitificada, e é provável que algumas das histórias sobre ela não sejam baseadas em factos.

Índice

    Ela tinha algum animal de estimação?

    Não se sabe ao certo se Cleópatra, a última faraó ativa do Antigo Egipto, tinha animais de estimação. Não existem registos históricos que mencionem que ela tinha animais de estimação e não era comum as pessoas no Antigo Egipto terem animais de estimação da mesma forma que as pessoas têm hoje.

    Algumas lendas afirmam que Cleópatra tinha um leopardo de estimação chamado Flecha; no entanto, não existem provas que sustentem este facto nos registos antigos.

    Veja também: Simbolismo do oceano (10 principais significados) Cleópatra

    John William Waterhouse, Domínio público, via Wikimedia Commons

    Cleópatra - A encarnação do gato

    Cleópatra, nascida por volta de 70/69 a.C. [2] no Egipto, não era de origem étnica egípcia e foi a primeira governante ptolemaica a aderir plenamente à cultura egípcia.

    Aprendeu a língua egípcia e as práticas e costumes da população local com os seus servos, parecendo empenhar-se totalmente no país e legitimando a sua pretensão ao trono como "faraó".

    Infelizmente, foi o último faraó que o Egipto viria a ter [3].

    Veja também: Top 9 flores que simbolizam a vida

    No entanto, durante o seu reinado, era evidente que exercia uma forte influência sobre o seu reino, como uma gata mãe, que trazia os seus filhos para junto de si para os proteger, ao mesmo tempo que se defendia ferozmente, a si e ao seu reino, contra aqueles que a ameaçavam.

    O seu povo venerava-a pela sua inteligência, beleza, liderança ambiciosa e charme, tal como um gato é venerado pela sua graça e força.

    Com a ajuda de César e Marco António, desejava expandir o seu reino para todo o mundo e via-se a si própria como a deusa Ísis, como a mãe e esposa ideal, bem como a padroeira da natureza e da magia. Era uma líder e rainha amada pelo seu povo e pela sua terra.

    Gatos no Antigo Egipto

    Os antigos egípcios veneraram os gatos e outros animais durante milhares de anos, cada um deles venerado por razões diferentes.

    Os cães eram apreciados pela sua capacidade de caça e de proteção, mas os gatos eram considerados os mais especiais, pois acreditava-se que eram criaturas mágicas e o símbolo da proteção e da divindade [4]. As famílias ricas vestiam-nos com jóias e davam-lhes guloseimas luxuosas.

    Quando os gatos morriam, os seus donos mumificavam-nos e rapavam-lhes as sobrancelhas para fazer o luto [5]. Continuavam a fazer o luto até as sobrancelhas voltarem a crescer.

    Os gatos eram retratados na arte, incluindo pinturas e estátuas, e eram muito apreciados no mundo antigo dos egípcios, e o castigo por matar um gato era a morte [6].

    Deidade Bastet

    Alguns deuses da mitologia egípcia tinham o poder de se transformar em diferentes animais, mas só a deusa Bastet podia transformar-se num gato [7]. Foi construído um belo templo dedicado a ela na cidade de Per-Bast, e as pessoas vinham de todo o lado para conhecer a sua grandeza.

    A Deusa Bastet

    Ossama Boshra, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

    A deusa Bastet era adorada no antigo Egipto, pelo menos desde a Segunda Dinastia, e era representada com a cabeça de um leão.

    Divindade Mafdet

    No antigo Egipto, Mafdet era uma divindade com cabeça de gato que era reconhecida como a protetora dos aposentos do faraó contra as forças do mal, como escorpiões e cobras.

    Dois fragmentos que formam uma representação de Mafdet como Senhora do Ankh da Cabana

    Cnyll, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

    Era frequentemente representada com a cabeça de um leopardo ou de uma chita e era especialmente venerada durante o reinado de Den. Mafdet foi a primeira divindade com cabeça de gato conhecida no Egipto e foi adorada durante a Primeira Dinastia.

    Mumificação de gatos

    Durante o Período Tardio do antigo Egipto, a partir de 672 a.C., tornou-se mais comum a mumificação de animais [8], que eram frequentemente utilizados como oferendas votivas a divindades, especialmente durante festivais ou por peregrinos.

    Gato mumificado do Egipto

    Museu do Louvre, domínio público, via Wikimedia Commons

    De 323 a 30 a.C., durante o período helenístico, a deusa Ísis foi associada aos gatos e a Bastet [9]. Durante este período, os gatos foram sistematicamente criados e sacrificados aos deuses como múmias.

    Os gatos estão a perder o seu valor

    Depois de o Egipto se ter tornado uma província romana em 30 a.C., a relação entre os gatos e a religião começou a mudar.

    Nos séculos IV e V d.C., uma série de decretos e éditos emitidos pelos imperadores romanos suprimiram gradualmente a prática do paganismo e os rituais a ele associados.

    Em 380 d.C., os templos pagãos e os cemitérios de gatos foram confiscados e os sacrifícios proibidos. Em 415, todos os bens anteriormente dedicados ao paganismo foram entregues à Igreja cristã e os pagãos foram exilados em 423 [10].

    Gatos mumificados no Museu de História Natural, Londres

    Internet Archive Book Images, sem restrições, via Wikimedia Commons

    Como resultado destas mudanças, o respeito e o valor dos gatos no Egipto diminuíram. No entanto, no século XV, os guerreiros mamelucos no Egipto ainda tratavam os gatos com honra e compaixão, o que também faz parte da tradição islâmica [11].

    Palavras finais

    A história não menciona especificamente se Cleópatra tinha ou não um gato, mas os gatos eram muito apreciados no antigo Egipto.

    Eram venerados como animais sagrados e associados a várias divindades, incluindo Bastet, a deusa da fertilidade com cabeça de gato, e acreditava-se que possuíam poderes especiais, sendo frequentemente retratados na arte e na literatura.

    Na sociedade do Antigo Egipto, os gatos eram tidos em alta estima e tratados com grande cuidado e respeito.

    Embora o papel específico dos gatos na vida de Cleópatra não esteja bem documentado, é evidente que eles eram uma parte importante da sociedade e ocupavam um lugar especial na cultura e na religião da época.




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.