Clima e Geografia do Antigo Egipto

Clima e Geografia do Antigo Egipto
David Meyer

A geografia moldou a forma como os antigos egípcios pensavam a sua terra, pois consideravam que o seu país estava dividido em duas zonas geográficas distintas.

Kemet a terra negra compreendia as margens férteis do rio Nilo, enquanto Deshret A Terra Vermelha era o deserto estéril que se estendia por grande parte do restante território.

A única terra arável era a estreita faixa de terra agrícola fertilizada com depósitos de lodo preto rico todos os anos pelas cheias do Nilo. Sem as águas do Nilo, a agricultura não seria viável no Egipto.

A Terra Vermelha servia de limite entre a fronteira do Egipto e os países vizinhos. Os exércitos invasores tinham de sobreviver a uma travessia do deserto.

Este território árido também forneceu aos antigos egípcios os seus metais preciosos, como o ouro e as pedras preciosas semipreciosas.

Índice

    Factos sobre a geografia e o clima do Antigo Egipto

    • A geografia, em particular o rio Nilo, dominou a antiga civilização egípcia
    • O clima do Antigo Egipto era quente e árido, semelhante ao atual
    • As cheias anuais do Nilo renovaram os ricos campos do Egipto e ajudaram a sustentar a cultura egípcia durante 3000 anos
    • Os antigos egípcios chamavam aos seus desertos as "Terras Vermelhas", pois eram vistos como hostis e estéreis
    • O calendário dos antigos egípcios reflectia as cheias do Nilo: a primeira estação era a "Inundação", a segunda era a estação de crescimento e a terceira era a época das colheitas
    • Nas montanhas e nos desertos do Egipto foram extraídas jazidas de ouro e de pedras preciosas
    • O rio Nilo era o principal eixo de transporte do antigo Egipto, ligando o Alto e o Baixo Egipto.

    Orientação

    O Antigo Egipto situa-se no quadrante nordeste de África. Os antigos egípcios dividiram o seu país em quatro secções.

    As duas primeiras divisões eram políticas e consistiam nas coroas do Alto e do Baixo Egipto. Esta estrutura política baseava-se no fluxo do rio Nilo:

    • O Alto Egipto situa-se a sul, a partir da primeira catarata do Nilo, perto de Assuão
    • O Baixo Egipto situava-se a norte e abrangia o enorme Delta do Nilo

    Geograficamente, o Alto Egipto era um vale fluvial, com cerca de 19 quilómetros (12 milhas) de largura no seu ponto mais largo e apenas cerca de três quilómetros (duas milhas) de largura no seu ponto mais estreito.

    O Baixo Egipto compreendia o vasto delta do rio, onde o Nilo se dividia em múltiplos canais de derivação para o Mar Mediterrâneo, criando uma extensão de pântanos e canaviais ricos em vida selvagem.

    As duas últimas zonas geográficas eram as Terras Vermelhas e as Terras Negras. O deserto ocidental continha oásis dispersos, enquanto o deserto oriental era sobretudo uma extensão de terra árida e estéril, hostil à vida e vazia, exceto por algumas pedreiras e minas.

    Com as suas imponentes barreiras naturais - o Mar Vermelho e o montanhoso Deserto Oriental a leste, o Deserto do Saara a oeste, o Mar Mediterrâneo a orlar os enormes pântanos do Delta do Nilo a norte e as Cataratas do Nilo a sul - os antigos egípcios gozavam de uma proteção natural contra os inimigos invasores.

    Embora estas fronteiras isolassem e protegessem o Egipto, a sua localização junto a antigas rotas comerciais fazia do Egipto uma encruzilhada de mercadorias, ideias, pessoas e influências políticas e sociais.

    Condições climáticas

    Foto de Pixabay em Pexels.com

    O clima do Antigo Egipto assemelhava-se ao atual, um clima desértico, seco e quente, com uma pluviosidade mínima. A zona costeira do Egipto beneficiava dos ventos vindos do Mar Mediterrâneo, enquanto que no interior as temperaturas eram escaldantes, sobretudo no verão.

    Veja também: Simbolismo da lua (9 principais significados)

    Entre março e maio, o Khamasin, um vento seco e quente que sopra pelo deserto, provoca uma queda abrupta da humidade e faz com que as temperaturas ultrapassem os 43° Celsius (110° Fahrenheit).

    Nos arredores de Alexandria, na costa, as chuvas e as nuvens são mais frequentes graças à influência do Mar Mediterrâneo.

    A região montanhosa do Sinai, no Egipto, goza das temperaturas nocturnas mais frescas devido à sua altitude, onde as temperaturas no inverno podem descer até aos -16° Celsius (três graus Fahrenheit) durante a noite.

    Geologia do Antigo Egipto

    As ruínas dos monumentos colossais do antigo Egipto apresentam edifícios de pedra maciça. Estes diferentes tipos de pedra dizem-nos muito sobre a geologia do antigo Egipto. As pedras mais comuns encontradas nas construções antigas são o arenito, o calcário, o chert, o travertino e o gesso.

    Os antigos egípcios abriram vastas pedreiras de calcário nas colinas sobranceiras ao vale do rio Nilo, tendo sido também descobertos depósitos de chert e travertino nesta extensa rede de pedreiras.

    Outras pedreiras de calcário localizavam-se perto de Alexandria e da zona de confluência do Nilo com o Mar Mediterrâneo, enquanto o gesso era extraído no deserto ocidental e em zonas próximas do Mar Vermelho.

    O deserto forneceu aos antigos egípcios a sua principal fonte de rochas ígneas, como o granito, o andesito e o diorito de quartzo, bem como a famosa pedreira de granito de Assuão, no Nilo.

    Os depósitos minerais do Antigo Egipto nos desertos, numa ilha do Mar Vermelho e no Sinai, forneciam uma gama de pedras preciosas e semipreciosas para a produção de jóias. Estas pedras muito procuradas incluíam a esmeralda, a turquesa, a granada, o berilo e o peridoto, bem como uma grande variedade de cristais de quartzo, incluindo a ametista e a ágata.

    As terras negras do Antigo Egipto

    Ao longo da história, o Egipto tem sido conhecido como a "dádiva do Nilo", seguindo a descrição florida de Heródoto, o filósofo grego, que o descreveu como a fonte de sustentação da civilização egípcia.

    O antigo Egipto era alimentado por pouca chuva, o que significava que a água para beber, lavar, irrigar e dar de beber ao gado vinha do rio Nilo.

    O rio Nilo disputa com o rio Amazonas o título de rio mais longo do mundo. As suas nascentes situam-se nas terras altas da Etiópia, em África. Três rios alimentam o Nilo: o Nilo Branco, o Nilo Azul e o Atbara, que traz para o Egipto as chuvas da monção de verão da Etiópia.

    Veja também: Simbolismo da lua de sangue (11 principais significados)

    Todas as primaveras, o degelo das terras altas da Etiópia é derramado no rio, provocando a sua subida anual. Na maior parte dos casos, as cheias do rio Nilo eram previsíveis, inundando a terra negra em finais de julho, antes de recuarem em novembro.

    O depósito anual de lodo fertilizava as Terras Negras do Antigo Egipto, permitindo o florescimento da agricultura, que sustentava não só a sua própria população, mas também produzia um excedente de cereais para exportação. O Antigo Egipto tornou-se o celeiro de Roma.

    As terras vermelhas do Antigo Egipto

    As Terras Vermelhas do Antigo Egipto compreendiam as vastas extensões de desertos que se estendiam de ambos os lados do rio Nilo. O vasto Deserto Ocidental do Egipto fazia parte do Deserto da Líbia e cobria cerca de 678 577 quilómetros quadrados (262 000 milhas quadradas).

    Geograficamente, era constituído maioritariamente por vales, dunas de areia e, por vezes, zonas montanhosas. Este deserto inóspito escondia alguns oásis, cinco dos quais ainda hoje são conhecidos.

    O Deserto Oriental do Antigo Egipto estendia-se até ao Mar Vermelho e hoje faz parte do Deserto da Arábia. Este deserto era estéril e árido, mas era a fonte de antigas minas. Ao contrário do Deserto Ocidental, a geografia do Deserto Oriental apresentava mais extensões rochosas e montanhas do que dunas de areia.

    Reflectindo sobre o passado

    O Antigo Egipto é definido pela sua geografia: quer seja a dádiva de água do rio Nilo e as suas nutritivas inundações anuais, quer sejam os altos penhascos do Nilo que proporcionaram pedreiras e túmulos ou as minas do deserto com as suas riquezas, o Egipto nasceu da sua geografia.




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.