De onde vieram os mouros?

De onde vieram os mouros?
David Meyer

Mouros é um termo amplo que os europeus usavam geralmente para descrever os muçulmanos da Península Ibérica e do Norte de África durante a Idade Média. De 711 a 1492 d.C., os muçulmanos de África governaram a Península Ibérica, que é a área que abrange os actuais Portugal e Espanha.

Os mouros eram um grupo diversificado de pessoas originárias da região do Magrebe, no Norte de África.

Embora o termo "mouros" fosse utilizado principalmente para designar os berberes e outros grupos de pessoas da província da Mauretânia da antiga Roma [1], os europeus utilizaram esta palavra para todos os muçulmanos durante a Idade Média, incluindo os berberes do Norte de África, os árabes e os europeus muçulmanos.

Índice

    Tudo o que precisa de saber sobre o termo "mouro"

    O termo "mouro" está presente em todos os livros de história, arte e literatura muçulmana e deriva da palavra grega " Mauros " [2], que significa "de pele escura ou preta".

    Veja também: Os 23 principais símbolos da maternidade e os seus significados

    Depois, a palavra passou a ser Mauri (plural de Mauro) em latim, que posteriormente foi traduzida como "mouros" em diferentes línguas europeias, incluindo o inglês.

    Este termo foi inicialmente utilizado para designar as pessoas pertencentes às tribos berberes que viviam na região africana chamada Mauretânia, atualmente conhecida como Norte de África. O termo Mauri foi também utilizado para designar os berberes e os árabes que viviam nas zonas costeiras do Noroeste de África durante a Idade Média Latina.

    É importante notar que os mouros não são um povo autodefinido ou distinto, e o termo nunca teve qualquer valor etnológico real [3]. Curiosamente, os portugueses começaram a chamar aos muçulmanos que viviam no Sudeste Asiático 'mouros da Índia' e 'mouros do Ceilão' durante a era colonial [4].

    Embaixadores castelhanos

    cantigas de santa maria, Domínio público, via Wikimedia Commons

    Mouros dominam a Península Ibérica

    Em 711 d.C., os mouros do Norte de África, sob o comando de Tariq ibn Ziyad, lideraram a conquista muçulmana da Península Ibérica, conhecida como Al-Andalus na literatura muçulmana, uma vasta área que abrangia a maior parte da Septimania e os actuais Portugal e Espanha.

    O domínio islâmico foi estabelecido na Península Ibérica em 718 d.C. e muitos mouros começaram a migrar do Norte de África para esta região. Em poucas décadas, a Península Ibérica muçulmana criou um Estado independente, separando-se do resto do mundo islâmico.

    Os habitantes desta região desenvolveram, assim, uma cultura única sob a influência da Europa, muito diferente da cultura do Médio Oriente.

    Foi o início de uma longa era muçulmana que governou a Península Ibérica durante quase 800 anos e teve um grande impacto na cultura portuguesa e espanhola.

    Conquistas e avanços da Espanha moura

    Os mouros continuaram a avançar e ocuparam a Sicília e Mazara em 827 d.C., o que lhes permitiu desenvolver um porto e consolidar a parte restante da ilha.

    Durante esse período, 99% da população da Europa cristã era analfabeta [5], mas os muçulmanos tornaram a educação universal na Espanha moura.

    Na altura, toda a Europa tinha apenas duas universidades, enquanto os mouros tinham 17, localizadas em diferentes regiões, incluindo Toledo, Sevilha, Málaga, Juenl, Granada, Córdova e Almeria.

    Para além disso, criaram mais de 70 bibliotecas públicas, algo que não existia na Europa.

    Os mouros mantiveram o controlo da Península Ibérica durante séculos, apesar de muitas guerras. Para dominar toda a região, utilizaram um sistema fiscal islâmico simples: todos os cristãos e judeus da Península Ibérica tinham de pagar um imposto para poderem praticar a sua religião pacificamente.

    Esta situação permitiu que judeus, cristãos e muçulmanos vivessem em paz e harmonia durante séculos e que os mouros influenciassem os cristãos espanhóis, que passaram a considerar exótica a cultura mourisca e a usar vestuário muçulmano [6].

    O mundo muçulmano dessa época também se dedicou ao desenvolvimento da ciência em diferentes domínios, como a álgebra, a física e a química. O sistema numérico algébrico e a álgebra utilizados no mundo ocidental moderno foram iniciados por um cientista muçulmano, Muhammad ibn Musa al-Khwarizmi [7].

    Queda da Espanha moura

    Os mouros dominaram a Península Ibérica durante quase 800 anos, mas as diferenças culturais e religiosas levaram a um conflito com os reinos cristãos europeus, conhecido como Reconquista [8].

    Os mouros foram expulsos da Sicília em 1224 d.C. para a povoação de Lucera, que também foi destruída em 1300 d.C. pelos cristãos brancos europeus.

    Mais tarde, em 1492 d.C., a queda de Granada pôs fim ao domínio muçulmano em Espanha. Muitas comunidades muçulmanas ainda permaneceram em Espanha, mas também foram expulsas da região em 1609 d.C.

    Veja também: Rei Tutmés III: linhagem familiar, realizações e reinado

    Não foram só os muçulmanos que sofreram com a Reconquista, os judeus que viviam na Espanha muçulmana também passaram por dificuldades, pois a Península Ibérica era a única região de toda a Europa Ocidental onde os judeus podiam viver em paz.

    A erudição judaica floresceu ao lado dos estudiosos e cientistas mouros, sendo também conhecida como a idade de ouro da erudição judaica.

    A Capitulação de Granada

    Francisco Pradilla y Ortiz, Domínio público, via Wikimedia Commons

    A posição dos mouros após a queda de Granada

    Depois de os mouros terem sido derrotados pelos reinos cristãos de Espanha em 1492 d.C., muitos deles foram obrigados a converter-se ao cristianismo ou a enfrentar perseguições, sendo os que se converteram ao cristianismo conhecidos como mouriscos.

    Os mouriscos continuaram a ser alvo de discriminação e perseguição e muitos deles acabaram por ser expulsos de Espanha no início do século XVII. Nessa altura, a população mourisca em Espanha tinha desaparecido em grande parte por conversão, expulsão ou migração voluntária.

    Alguns dos mouros que conseguiram fugir de Espanha estabeleceram-se noutras partes do mundo muçulmano, como o Norte de África e o Império Otomano. Outros terão permanecido em Espanha, mas a sua cultura e modo de vida foram em grande parte suprimidos pelas autoridades espanholas.

    Palavras finais

    Os mouros, originários da região do Magrebe, no Norte de África, eram principalmente descendentes de povos árabes e berberes que tinham migrado para a região e se tinham convertido ao Islão.

    Nos séculos VII e VIII, os mouros estabeleceram vários Estados muçulmanos poderosos na região, conhecidos pela sua cultura e conhecimentos avançados e que desempenharam um papel importante na história do Norte de África e da Europa.

    Apesar da queda dos seus Estados, deixaram um legado duradouro nas regiões que outrora governaram.




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.