Educação no Antigo Egipto

Educação no Antigo Egipto
David Meyer

A educação no Antigo Egipto foi moldada pelo seu sistema social conservador. Embora a educação fosse valorizada, era em grande parte restrita aos filhos dos que dispunham de meios. Como as mesmas famílias ocupavam frequentemente cargos civis e militares na administração do palácio ao longo das gerações, a educação era um dos meios através dos quais a memória institucional era transferida ao longo das gerações.

A história do sistema educativo do antigo Egipto permanece obscura e as suas origens não chegaram até nós. No entanto, um sistema educativo, de uma forma ou de outra, existiu ao longo da longa história do antigo Egipto. As suas raízes encontram-se possivelmente no início do Reino Egípcio em 3000 a.C., embora, na ausência de quaisquer provas arqueológicas ou históricas corroborantes, isto seja em grande parte especulação.

Índice

    Factos sobre a educação no Antigo Egipto

    • O programa de ensino do Antigo Egipto incluía a leitura, a escrita, a moral, a matemática, o desporto e a instrução religiosa
    • Os egípcios usavam hieróglifos ou símbolos na sua linguagem escrita, que era composta principalmente por consoantes e tinha poucas vogais
    • A educação formal dos rapazes começava aos 7 anos de idade
    • A maior parte dos rapazes era aprendiz do ofício do pai depois de completar a sua educação formal
    • Os escribas forneciam instrução secular sobre leitura, escrita, medicina e matemática
    • Os padres deram lições de religião e moral
    • As imagens que sobreviveram mostram crianças sentadas nas suas carteiras numa sala de aula, enquanto um professor está sentado numa secretária maior
    • A maioria das mulheres do antigo Egipto não podia receber uma educação formal, mas era educada em casa
    • As mulheres da classe baixa raramente sabiam ler ou escrever

    Acesso à educação

    Assim, era habitual que as crianças da elite da sociedade egípcia frequentassem a escola, uma vez que os membros destas famílias necessitavam de instrução numa série de disciplinas para assegurar a governação eficiente do país. As disciplinas comuns abrangidas pelo programa de ensino do antigo Egipto incluíam a leitura, a escrita, a moral, a matemática, o desporto e a instrução religiosa.

    As raparigas não iam à escola, mas eram educadas em casa pelas mães, que as ensinavam a ler, a cozinhar, a costurar e a gerir a casa, temas considerados socialmente importantes para as mulheres, pelo que a educação para além destes tópicos era considerada supérflua.

    As crianças das classes mais baixas do Egipto raramente recebiam educação devido ao seu custo, ao número limitado de escolas disponíveis e à reserva de lugares nas escolas para as crianças da realeza e dos meios ricos.

    O sistema educativo do Antigo Egipto

    As mães eram responsáveis pela educação dos seus filhos, tanto rapazes como raparigas, até os rapazes atingirem os 4 anos de idade. A partir dessa idade, os pais assumiam a responsabilidade de ensinar os seus filhos. O respeito pelos pais, em particular pelas mães, estava enraizado nas crianças e havia uma grande preocupação com a moral, as boas maneiras e o desenvolvimento de uma ética de trabalho. O desrespeito e a preguiça erampunidos severamente.

    Veja também: Os 23 principais símbolos de resiliência e seus significados

    Imagens em túmulos e templos mostram crianças sentadas às suas carteiras numa sala de aula, enquanto um professor está sentado numa secretária maior.

    Quando os rapazes faziam 7 anos, iniciavam a sua educação formal. Os alunos liam textos educativos, chamados Kemty, que eram escritos na vertical e não da esquerda para a direita

    Os professores do Antigo Egipto

    Os professores do Antigo Egipto dividiam-se em duas categorias: os sacerdotes e os escribas. O papel dos sacerdotes consistia em dar lições sobre religião e moral. Os escribas davam instruções seculares sobre leitura, escrita e matérias como medicina e matemática. No sistema educativo do Antigo Egipto, o mesmo escriba ensinava todas as matérias da escola, o que era especialmente comum nas escolas das aldeias.

    Veja também: Quem foi Cleópatra VII? Família, relações & Legado

    Os professores especializados ensinavam em escolas dedicadas ao ensino de um tipo de educação especializado. Um tipo de educação era conhecido como "Instrução da Sabedoria". O seu programa consistia em lições de moral e ética. Outros tipos de educação especializada incluíam medicina para médicos e matemática para trabalhos de construção.

    Currículo educativo do Antigo Egipto

    As escolas egípcias antigas ensinavam um leque diversificado de disciplinas, que se limitavam à leitura, à escrita e à matemática básica, mas que se alargavam à medida que os alunos avançavam no sistema, incluindo disciplinas como a matemática, a história, a geografia, a medicina, a ética, a ciência, a moral e a música.

    Após a conclusão dos estudos, a maioria dos estudantes seguia as profissões dos pais, mas também não era raro que escolhessem um percurso educativo especializado. O sistema de ensino superior do Egipto centrava-se na formação de profissionais qualificados e incluía também os filhos da nobreza egípcia e os titulares de cargos reais.

    Aprendizagem de jovens

    Aos 14 anos, os filhos de pais das classes média e baixa terminavam a sua educação formal e começavam a trabalhar como aprendizes dos seus pais. As profissões típicas que funcionavam com um sistema de aprendizes incluíam a agricultura, a carpintaria, a alvenaria de pedra, o tingimento de peles e tecidos, o trabalho em metal e couro e a joalharia. Os artesãos esperavam que os seus filhos se tornassem aprendizes do seu ofício. A mobilidade ascendente emantigo Egipto era raro.

    As raparigas permaneciam em casa com as mães, onde aprendiam a gerir a casa, a cozinhar, a fazer bolos, a criar os filhos e a utilizar os óleos e as ervas medicinais; as raparigas de estatuto social mais elevado recebiam instruções sobre como receber os visitantes de estatuto elevado e a supervisionar os criados e os escravos.

    Assim, tal como os rapazes, as raparigas recebiam formação em competências consideradas adequadas à sua classe social e às suas responsabilidades prováveis. Como as opções de carreira das mulheres eram muito limitadas, a aprendizagem profissional limitava-se sobretudo à formação como padeira, tecelã, animadora ou dançarina.

    As raparigas de nascimento elevado recebiam, por vezes, educação adicional. Dependendo da posição do pai na sociedade, uma rapariga de nascimento elevado podia ter de ajudar a gerir os negócios da família enquanto o pai estava ausente. As mulheres de nascimento nobre recebiam ocasionalmente educação formal adicional que lhes permitia ler, escrever e cifrar.

    O conhecimento das artes, da história e da política faziam parte da sua educação, uma vez que as mulheres nobres precisavam de ser suficientemente instruídas para se tornarem uma esposa aceitável para um marido da classe alta, bem como para poderem gerir os negócios da família.

    Os escribas como profissão

    Representação de escribas do Governo a trabalhar.

    Uma das poucas opções de carreira que proporcionava mobilidade ascendente no antigo Egipto era a de ser aprendiz de um escriba. As raparigas eram geralmente proibidas de se tornarem escribas, embora existissem excepções.

    Os documentos que sobreviveram descrevem algumas mulheres médicas no antigo Egipto e essas mulheres recebiam formação como escribas para poderem ler textos e tratados médicos.

    A educação prolongada de um escriba incluía a prática da escrita de centenas de hieróglifos e símbolos que constituíam a língua egípcia. Os escribas praticavam a escrita em madeira, cerâmica e pedra para garantir que as suas palavras eram exactas e legíveis. Os espancamentos eram um castigo comum para quem não tivesse uma boa caligrafia. Papiro; era escasso e caro e não era utilizado para exercícios práticos.

    Educação religiosa

    A educação religiosa era ensinada juntamente com outras disciplinas no antigo Egipto. Os antigos egípcios eram politeístas, adoravam muitos deuses em vez de um só. Como todos os antigos egípcios adoravam os mesmos deuses e deusas, a educação religiosa era bastante uniforme. As crianças eram ensinadas a honrar e a respeitar os deuses desde tenra idade e o desrespeito ou a desobediência resultavam em castigos severos.

    A Escola do Príncipe

    A Escola do Príncipe educava os filhos do rei e da nobreza ou de altos funcionários, não sendo permitida a frequência de raparigas, mas também de rapazes promissores, o que era considerado uma grande honra. Era também uma das poucas formas de um aluno da classe baixa ascender na sociedade.

    Os alunos mais jovens recebiam formação em escrita e matemática e os alunos mais velhos recebiam formação em leitura, escrita, matemática e história. A matemática baseava-se num sistema decimal e incluía aritmética, geometria, ciências, astronomia, música e medicina.

    O conceito de sabedoria no Antigo Egipto

    Para os antigos egípcios, a sabedoria provinha da obediência às leis naturais que regiam a sua vida quotidiana. A sabedoria era obtida através da observância dos conceitos de verdade, integridade e justiça. Assim, os estudantes egípcios aprendiam estes conceitos para poderem alcançar a verdadeira sabedoria.

    No Antigo Egipto, a filosofia não era vista como uma disciplina separada, sendo ensinada em conjunto com a instrução moral e religiosa, esperando-se que todos os alunos compreendessem e praticassem os conceitos filosóficos.

    Reflectindo sobre o passado

    A rica vida cultural e religiosa do Antigo Egipto baseava-se num sistema educativo que, embora transmitisse um vasto programa de estudos aos seus alunos do sexo masculino, tinha como principal objetivo perpetuar a sua estrutura social conservadora e pouco flexível.

    Imagem de cabeçalho cortesia: via maxpixel




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.