Faraó Snefru: as suas ambiciosas pirâmides & monumentos

Faraó Snefru: as suas ambiciosas pirâmides & monumentos
David Meyer

Snefru (ou Sneferu) foi o faraó fundador da Quarta Dinastia do Antigo Reino do Egipto. Após a sua morte, os seus antigos súbditos egípcios recordaram-no como um governante bom e justo. Os egiptólogos acreditam que reinou entre cerca de 2613 e 2589 a.C.

A Quarta Dinastia do Antigo Egipto (c. 2613 a c. 2494 a.C.) é muitas vezes referida como a "Idade de Ouro". A Quarta Dinastia viu o Egipto desfrutar de um período de riqueza e influência derivado, em parte, de rotas comerciais florescentes e de um longo período de paz.

Na Quarta Dinastia, a construção de pirâmides no Egipto atingiu o seu apogeu. A paz comparativa com os concorrentes externos permitiu aos faraós da Quarta Dinastia explorar as suas actividades culturais e artísticas de lazer. As experiências de construção de Snefru abriram caminho para a transição das pirâmides de degraus de mastaba de tijolo de barro para as pirâmides "verdadeiras", com as suas faces lisas, do planalto de Gizé.As dinastias que conseguiram igualar as realizações da Quarta Dinastia em matéria de arquitetura e construção.

Índice

    Factos sobre o Snefru

    • Snefru fundou a Quarta Dinastia do Período do Antigo Reino do Egipto
    • Estima-se que o seu reinado tenha durado 24 anos e que tenha sido o início da construção das primeiras pirâmides verdadeiras
    • Khufu, filho de Snefru, adoptou a abordagem inovadora de Snefru na construção da Grande Pirâmide de Gizé
    • A pirâmide de Snefru em Meidum era uma pirâmide de degraus que ele transformou mais tarde numa verdadeira pirâmide.
    • As pirâmides curvada e vermelha de Snefru, construídas em Dahshur, ilustram o processo de aprendizagem de Snefru na construção de pirâmides
    • Os egiptólogos ainda não encontraram o túmulo de Snefru nem a sua múmia

    O que é que um nome tem?

    O nome de Snefru traduz-se como "tornar belo". Snefru é também conhecido como Sneferu "Ele aperfeiçoou-me", derivado de "Hórus, Senhor de Ma'at aperfeiçoou-me".

    Veja também: Simbolismo da lua (9 principais significados)

    Linhagem familiar de Snefru

    A conexão genética entre os faraós da Terceira Dinastia e os da Quarta Dinastia permanece obscura. O último rei da Terceira Dinastia foi o faraó Huni, que pode ter sido o pai de Snefru, embora não tenha sobrevivido nenhuma evidência substantiva para prová-lo. Os egiptólogos acreditam que a mãe de Snefru foi Meresankh, e pode ter sido uma das esposas de Huni.

    Snefru casou com a filha de Huni, Hetepheres, o que, partindo do princípio de que Snefru também era filho de Huni, implica que seguiu a antiga tradição real egípcia e casou com a sua meia-irmã, tradição essa que tinha como objetivo consolidar a pretensão do faraó ao trono.

    Para além do seu herdeiro Khufu, Snefru teve vários outros filhos. Alguns egiptólogos defendem que o príncipe Nefermaat, o primeiro vizir de Snefru, também era seu filho. Os arqueólogos descobriram uma mastaba de tijolo de barro pertencente a um dos filhos de Snefru perto da sua pirâmide de Meidum. Mastabas semelhantes pertencentes aos filhos de Snefru foram desenterradas em diferentes cemitérios, permitindo aos egiptólogos compilar umalista pormenorizada dos filhos de Snefru.

    O próspero reinado de Snefru

    A maioria dos egiptólogos concorda que Snefru reinou durante pelo menos 24 anos, outros apontam para um período de 30 anos e outros defendem um reinado de 48 anos.

    Durante o seu reinado, Snefru lançou expedições militares para oeste, para a Líbia, e para sul, para a Núbia, com o objetivo de se apoderar de recursos e de gado e de escravizar os cativos. Para além destas expedições militares, Snefru incentivou o comércio, importando nomeadamente cobre e turquesa extraídos no Sinai e cedro do Líbano.

    Os egiptólogos apontam a necessidade de financiar os seus projectos de construção e de sustentar uma grande força de trabalho como a principal motivação por detrás do renovado entusiasmo de Snefru pelo comércio e pelas campanhas militares. O monumental programa de construção de Snefru exigia a mobilização contínua de uma enorme força de trabalho, o que rompia com a tradição de os agricultores trabalharem em projectos de construção apenas enquantoEsta estratégia de mobilização de mão de obra exigia importações adicionais de alimentos, uma vez que os agricultores egípcios teriam menos disponibilidade para cultivar os seus próprios alimentos.

    Durante o período em que Snefru esteve no trono do Egipto, foram feitas experiências com técnicas de construção e de logística. O seu vizir utilizou várias técnicas diferentes de construção de pirâmides, à medida que os egípcios aprendiam a construir uma pirâmide sólida. Os artistas experimentaram novas abordagens para decorar os túmulos com cenas pintadas. Os egiptólogos descobriram túmulos com algumas secções das suas paredes decoradas comA decoração dos túmulos foi uma tentativa dos artistas antigos de aperfeiçoar um sistema que garantisse a sua durabilidade.

    As inovações de Snefru estenderam-se a novas abordagens para a extração de pedra em grande escala para os seus monumentos colossais, bem como a meios mais eficientes de transporte dos enormes blocos de pedra para o local de construção.

    Agenda ambiciosa para a construção

    Durante o seu longo reinado, Snefru construiu pelo menos três pirâmides e outros monumentos que sobreviveram até aos nossos dias. Foi também pioneiro em inovações significativas na conceção das pirâmides e nos métodos de construção, em particular na abordagem do Estado egípcio à organização da mão de obra e do apoio logístico, que foi adoptada pelo seu sucessor, Khufu, na construção da Grande Pirâmide de Gizé.

    Embora Snefru tenha mantido um ambicioso programa de construção em todo o Egipto, os seus projectos mais conhecidos continuam a ser os complexos das três pirâmides.

    A sua primeira pirâmide foi uma grande pirâmide de degraus situada em Meidum. Nos últimos anos do seu reinado, Snefru converteu esta pirâmide numa verdadeira pirâmide, acrescentando-lhe um invólucro exterior liso. Os egiptólogos apontam a influência do culto de Rá como motivação para a adição tardia.

    Todas as pirâmides de Snefru incluíam complexos funerários significativos, incluindo templos, pátios e uma pirâmide de culto ou falsa tumba, que servia como foco do culto funerário do faraó.

    Após a sua decisão de transferir a sua corte para Dahshur, Snefru construiu as duas primeiras pirâmides verdadeiras.

    A Pirâmide Dobrada foi a primeira pirâmide verdadeira de Snefru. Os lados originais da pirâmide tinham uma inclinação de 55 graus. No entanto, a rocha sob a pirâmide provou ser instável, fazendo com que a pirâmide rachasse. Para reforçar a estrutura, Snefru construiu um invólucro em torno da base da pirâmide. O restante dos lados da pirâmide tem uma inclinação de 43 graus, criando a sua forma dobrada caraterística.

    A última pirâmide de Snefru foi a Pirâmide Vermelha. O seu núcleo foi construído com calcário vermelho, o que lhe deu o nome. A estrutura interior da Pirâmide Vermelha é menos complexa do que a da Pirâmide Dobrada. Atualmente, alguns egiptólogos suspeitam que possam existir câmaras por descobrir no interior de ambas as pirâmides.

    Os arqueólogos sugerem que Snefru construiu uma rede de pequenas pirâmides nas províncias do Egipto para servir de local para o seu culto fúnebre.

    Veja também: Flores que simbolizam a feminilidade

    Reflectindo sobre o passado

    O reinado de Snefru foi marcado pela prosperidade e riqueza do Egipto e por um longo período de relativa paz. Os seus súbditos recordavam-no como um governante benevolente e justo que inaugurou uma "Idade de Ouro".

    Imagem de cabeçalho cortesia: Juan R. Lazaro [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.