Os 15 principais símbolos de rebelião com significados

Os 15 principais símbolos de rebelião com significados
David Meyer

Os símbolos de rebelião têm sido avidamente utilizados ao longo da história para dar voz aos oprimidos. Estes símbolos realçam a opressão e levam as pessoas a tomar uma posição contra ela. Os símbolos de rebelião têm sido associados à arte e à expressão e, em conjunto, dão poder ao público.

Neste artigo, discutimos muitos símbolos históricos de rebelião da Revolução Francesa e também muitos símbolos contemporâneos, que significam muitas causas recentes.

Abaixo estão listados os 15 símbolos mais importantes da Rebelião:

Índice

    1) Fasces

    Lictor romano com Fasces, desfile de rua

    Cortesia da imagem: commons.wikimedia.org, cortada

    O símbolo do fasces foi um símbolo extremamente significativo da Revolução Francesa. É um símbolo originalmente romano, que pode ser descrito como um ramo de bétula com um machado de sacrifício no centro. Durante o tempo dos romanos, este símbolo representava conceitos de união e acordo dentro da República Romana.

    Também significava o poder dos magistrados e, por isso, era um símbolo de poder e autoridade. Também é desenhado como um feixe de varas de madeira com um machado no centro, atado com tiras de couro. (1) Após a revolução, a República Francesa continuou com este símbolo.

    Representava a unidade e a justiça, bem como o poder do Estado. O símbolo foi também avidamente utilizado ao longo do curso da revolução em conjunto com outros símbolos. (2)

    2) Cockade tricolor

    Cockade tricolor francês

    Angelus, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

    Durante a Revolução Francesa, a Cockade Tricolor foi ativamente usada pelos revolucionários. A cockade foi criada em 1789, juntando a cockade vermelha e azul de Paris à cockade branca do Antigo Regime francês.

    Mais tarde, diferentes estilos de cocar assinalaram a fação a que se pertencia, mas estes estilos não eram consistentes e variavam consoante a época e a região. A bandeira tricolor francesa teve origem no cocar tricolor na década de 1790. O cocar também passou a fazer parte do uniforme da Guarda Nacional, a força policial que sucedeu à Milícia Francesa. (3)

    Em 1792, a Cockade tricolor tornou-se o símbolo oficial da Revolução Francesa. As três cores da cockade representavam os três estados da sociedade francesa: o clero era representado pela cor azul, a nobreza era representada pela cor branca e o vermelho representava o terceiro estado. O significado simbólico da tricolor espalhou-se por toda a França. Em 1794, as três cores foram transformadas emparte da bandeira nacional de França. (4)

    3. o boné da liberdade

    Mulheres com gorros frígios

    © Marie-Lan Nguyen / Wikimedia Commons

    Veja também: Os 15 principais símbolos de fertilidade com significados

    O boné Liberty, também conhecido como Pileus ou boné frígio, é um boné sem aba, de forma cónica, cuja ponta é puxada para a frente.

    O boné da liberdade ou Bonnet rouge foi utilizado pela primeira vez simbolicamente em França, em 1970, e tornou-se um símbolo popular dos revolucionários franceses. Este boné era originalmente usado pelos antigos romanos, ilírios e gregos e continua a ser popular no Kosovo e na Albânia.

    O barrete da liberdade foi utilizado como emblema durante a Revolução Francesa, sobretudo devido à sua importância na Roma Antiga. Este barrete era utilizado no ritual romano de libertação dos escravos, que recebiam um barrete para significar a sua liberdade.

    4. a árvore da liberdade

    Árvore da liberdade dos EUA / Árvore da liberdade

    Biblioteca Houghton, domínio público, via Wikimedia Commons

    O símbolo da árvore da liberdade foi adotado pela primeira vez em França em 1792 e simbolizava a eterna república francesa, bem como a revolução e a liberdade nacional.

    As árvores representam a fertilidade no folclore francês e, por isso, foram usadas como símbolo da revolução. O conceito da árvore da liberdade também viajou para as Américas. As colónias americanas usaram o símbolo da árvore da liberdade para celebrar os seus actos de liberdade contra os colonizadores britânicos.

    5) Hércules

    Hércules com a sua clava a matar um centauro

    Roberto Bellasio via Pixabay

    Hércules é um antigo herói grego que simbolizava o poder e a força. Na França pré-revolução, Hércules foi adotado pela primeira vez para representar o poder da monarquia, implicando a autoridade despótica do rei de França.

    Durante a Revolução Francesa, o símbolo de Hércules foi reavivado para representar os ideais revolucionários. A estátua de Hércules foi colocada na estação que comemorava a queda de Luís XVI, um gesto simbólico para mostrar o poder do povo francês sobre os seus antigos opressores.

    6. sinal da paz

    Sinal de paz / Símbolo CND

    Gordon Johnson via Pixabay

    O símbolo que representa a paz é um símbolo muito comum hoje em dia. É descrito como um círculo com uma linha vertical desenhada no centro. Há duas linhas inclinadas que partem diagonalmente da linha central. Originalmente, este símbolo era o logótipo da Campanha de Desarmamento Nuclear em 1958.

    Gerald Holtom, o desenhador que concebeu este símbolo, também referiu que o mesmo implicava um outro significado. O círculo em si representava o desespero, a linha no centro representava uma pessoa. As linhas de cada lado representavam braços abertos em desespero.

    Esta, juntamente com o esquema de cores preto e branco, deveria representar um homem de pé, com os braços estendidos em desespero, perante um esquema de cores preto e branco. Foi referido que, inicialmente, Holtom queria utilizar a cruz cristã para representar a paz, mas não gostou da sua associação com as cruzadas.

    Este símbolo tornou-se uma boa escolha para representar a paz, uma vez que era mais universal. Este símbolo nunca foi protegido por direitos de autor para que as pessoas pudessem sentir-se livres para o utilizar em qualquer altura. (5)

    7. punho Black Power

    Símbolo do poder negro

    Joekilil, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

    O símbolo do punho do Black Power tornou-se proeminente em 1966, quando Bobby Seale e Huey P. Newton formaram o Partido dos Panteras Negras. O objetivo do símbolo e do partido era a libertação dos negros e o fim da brutalidade policial por motivos raciais.

    Recentemente, com o assassinato de George Floyd, este símbolo foi utilizado por milhões de pessoas nas ruas para apoiar a campanha Black Lives Matter. O símbolo do punho do Black Power é um gesto significativo de resistência, rebelião e força.

    Quando Nelson Mandela foi libertado da prisão em 1990, após vinte e sete anos, também ergueu o punho como símbolo de resistência. A campanha Black Lives Matter utiliza o símbolo do punho do poder negro desde 2014. A campanha Black Lives Matter tem conseguido chamar a atenção para o racismo sistemático dirigido aos negros. (6)

    8. os Punhos Femininos

    Punhos femininos

    Ilustração 186201856 © Lanali1

    O símbolo Femme Fists foi criado pela artista nova-iorquina Deva Perdue em 2016, inspirada pelo resultado da campanha presidencial de 2016.

    O conceito subjacente a este importante símbolo era o de que as questões de raça, etnia e género estão todas interligadas. O objetivo do símbolo era dar luz a estas questões de modo a angariar fundos para organizações de direitos das mulheres. Durante a marcha das mulheres de 2017, o símbolo Femme Fists tornou-se viral.

    Os cartazes "For All Womankind" foram utilizados em marchas de mulheres em todo o mundo. (7) O símbolo dos punhos Femme mostra três punhos levantados e de três cores de pele diferentes. Os punhos têm unhas pintadas com uma cor carmesim brilhante.

    9. o círculo - um símbolo

    Símbolo anarquista / Símbolo com um círculo

    Linuxerist, Froztbyte, Arcy, Domínio público, via Wikimedia Commons

    O símbolo do círculo A é composto pela letra "A" rodeada por um círculo. Este é o símbolo universal do anarquismo. O símbolo do círculo A tem sido um símbolo proeminente desde os anos 70 dentro dos limites da cultura jovem global. (8)

    A anarquia é a filosofia que rejeita completamente as noções hierárquicas, dando mais importância à auto-organização do que às regras controladas pelo Estado, apesar de muitos anarquistas afirmarem que os símbolos não têm importância no anarquismo enquanto movimento político.

    O símbolo do círculo-A foi particularmente bem-sucedido porque a palavra anarquismo começa com um A. Esta palavra, traduzida para muitas outras línguas, também começa com o som A. O círculo em torno de 'A' também representa 'O'. O refere-se à ordem. Esta ligação foi feita pelo anarquista francês Pierre-Joseph Proudhon num livro. Ele usa a linha de que a sociedade procura ordem na anarquia. (9)

    10. Sinal de duas bandeiras antifa

    Logótipo da Antifa

    Enix150, CC0, via Wikimedia Commons

    Antifa é a abreviatura de anti-fascistas. Não se trata de um grupo concreto, mas sim de uma espécie de movimento ou de um termo genérico que agrupava ideais à esquerda da escala política norte-americana. Este grupo descreve-se como anti-capitalista, socialista e anarquista. (10)

    Veja também: Faraó Ramsés II

    O movimento Antifa foi fundado em 1932 como uma organização militante e anti-fascista. No entanto, o movimento Antifa atual não tem nada a ver com a sua ligação histórica. Atualmente, o Antifa surgiu como uma rede de grupos anti-fascistas. (11)

    11. o triângulo cor-de-rosa

    Elvert Barnes de Baltimore, Maryland, EUA, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

    Um membro da ACT UP exibindo o sinal de protesto que é a marca registada da organização, com um triângulo cor-de-rosa invertido e apontado para cima.

    Os grupos de defesa dos direitos LGBTQ adoptaram o triângulo cor-de-rosa como representação da comunidade gay. Este símbolo teve origem na Alemanha nazi, quando a homossexualidade era visada.

    Foi introduzida uma cláusula legal alemã que proibia os actos homossexuais. Vinte e cinco mil pessoas foram condenadas ao abrigo desta lei; foram enviadas para a prisão, para campos de concentração ou esterilizadas. O triângulo cor-de-rosa foi utilizado como distintivo para indicar os homossexuais.

    Na década de 1970, os grupos de libertação gay transformaram o triângulo cor-de-rosa num símbolo de força e começaram a utilizá-lo em campanhas pelos direitos dos homossexuais. O triângulo cor-de-rosa tornou-se um sinal de solidariedade e orgulho para a comunidade homossexual.

    A ressurreição deste sinal também estabelece um paralelo entre a opressão gay atual e a opressão gay histórica. Nos anos 80, o triângulo cor-de-rosa invertido começou a ser utilizado como símbolo de resistência ativa. (12)

    12. o guarda-chuva

    Revolução dos guarda-chuvas de Hong Kong

    Pasu Au Yeung, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

    O movimento Umbrella, que exigia a democracia, ganhou popularidade em Hong Kong. A arte é muitas vezes um elemento fundamental do ativismo, sendo frequentemente um meio de expressão e documentando acontecimentos. Foi o caso da "Revolução dos Guarda-Chuvas" de Hong Kong.

    O guarda-chuva é um objeto de uso quotidiano, utilizado para proteção contra a chuva e o sol. Em Hong Kong, começou a ser utilizado por manifestantes para proteção contra o gás pimenta e o gás lacrimogéneo da polícia, tendo sido assim que surgiu o símbolo.

    O símbolo do guarda-chuva ganhou um estatuto icónico a nível político, tornando-se um símbolo de queixa social e de resistência e, devido às expressões artísticas que acompanham o símbolo, as ruas de Hong Kong tornaram-se também uma tela artística de criatividade. (13)

    13) Gesto "Mãos ao alto, não disparar

    "Gesto "Mãos ao alto, não atire

    Hongao Xu, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

    O gesto "Hands up Don't Shoot", também conhecido como slogan "Mãos ao alto", é um símbolo popular de resistência contra a brutalidade policial. Este gesto surgiu depois de Michael Brown ter sido baleado em Ferguson, Missouri. O slogan ou gesto implica submissão. A pessoa tem as mãos no ar, o que indica que não é uma ameaça.

    Testemunhas diferentes têm relatos diferentes sobre o que Michael Brown estava a fazer quando foi baleado. Alguns dizem que ele atacou o agente da polícia, enquanto outros dizem que ele tinha as mãos no ar em sinal de rendição. Apesar da ambiguidade da situação, o slogan das mãos no ar foi adotado como um símbolo de resistência contra a brutalidade policial. (14)

    14. saudação de três dedos

    Saudação de três dedos

    Imagem de isaiahkim from pixabay.com

    A saudação com três dedos é feita segurando os dedos anelar, médio e indicador para cima, mantendo o dedo mindinho e o polegar juntos. Em seguida, levante a mão numa saudação. Este gesto foi apresentado pela primeira vez na série de ficção Os Jogos da Fome. A saudação com três dedos também foi adoptada em protestos pró-democracia em países como Myanmar e Tailândia, no Sudeste Asiático.

    Foi também adoptada em Hong Kong. Esta saudação foi utilizada como símbolo pró-democracia na Tailândia após o golpe de Estado de 2014, tendo sido tornada ilegal na Tailândia devido à sua utilização para este fim. (15) Este símbolo foi novamente reavivado na Tailândia após a crise política de 2020. (16)

    15. a bandeira do arco-íris

    Bandeira do arco-íris

    Benson Kua, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

    A bandeira do arco-íris é um símbolo da comunidade LGBTQ, que significa movimento social de lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e queer.

    A bandeira arco-íris é também conhecida como bandeira do orgulho LGBTQ ou bandeira do orgulho gay. As cores da bandeira reflectem o amplo espetro da sexualidade humana e do género. As cores reflectem também a diversidade da comunidade LGBTQ.

    A bandeira do arco-íris foi utilizada pela primeira vez em São Francisco como símbolo do orgulho gay, mas depressa se tornou uma representação dos direitos LGBT.

    Conclusão

    Os símbolos de rebelião têm permitido esclarecer causas e movimentos ao longo da história.

    Quais destes símbolos já conhecia? Deixámos escapar algum? Diga-nos nos comentários abaixo!

    Referências

    1. //www.nps.gov/articles/secret-symbol-of-the-lincoln-memorial.htm
    2. Censer e Hunt, "How to Read Images" (Como ler imagens)
    3. Clifford, Dale, "Can the Uniform Make the Citizen? Paris, 1789-1791," Estudos do século XVIII , 2001, p. 369.
    4. "O drapeau français - Presidência da República"
    5. //elephant.art/the-real-meanings-behind-six-symbols-of-protest-01072020/
    6. //elephant.art/the-real-meanings-behind-six-symbols-of-protest-01072020/
    7. //forallwomankind.com/about
    8. Baillargeon, Normand (2013) [2008]. Ordem sem poder: uma introdução ao anarquismo: história e desafios actuais .
    9. //elephant.art/the-real-meanings-behind-six-symbols-of-protest-01072020/
    10. //www.aljazeera.com/news/2020/6/2/what-is-antifa
    11. //elephant.art/the-real-meanings-behind-six-symbols-of-protest-01072020/
    12. //elephant.art/the-real-meanings-behind-six-symbols-of-protest-01072020/
    13. Ivan Watson, Pamela Boykoff e Vivian Kam (8 de outubro de 2014). "Street becomes canvas for 'silent protest' in Hong Kong". CNN.
    14. Lopez, alemão (12 de agosto de 2019). "Os tweets controversos de Michael Brown de Elizabeth Warren e Kamala Harris, explicados". Vox .
    15. "Saudação dos Jogos da Fome proibida pelos militares tailandeses". O Guardião Associated Press. 3 de junho de 2014. Recuperado em 4 de março de 2021.
    16. Zheng, Sara (19 de agosto de 2020). "Da Bielorrússia à Tailândia: o manual de protesto de Hong Kong está a espalhar-se por todo o lado". Pedra de tinta Hong Kong: South China Morning Post, recuperado em 6 de março de 2021.

    Imagem de cabeçalho de "mão em sinal de paz" cortesia: Pink Sherbet Photography dos EUA, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.