Os 23 símbolos mais antigos e os seus significados

Os 23 símbolos mais antigos e os seus significados
David Meyer

Na Antiguidade, o conceito de religião era muito diferente do que é considerado atualmente.

A religião não tinha um papel separado e distinto e as pessoas não funcionavam independentemente das suas crenças religiosas numa sociedade secular.

Em vez disso, a religião estava totalmente integrada na vida dos plebeus, da nobreza e até dos reis, e não apenas dos sacerdotes.

Como tal, encontrará inúmeros símbolos antigos, que apareceram nas escrituras, em esculturas, amuletos, jóias, cerâmica e sarcófagos ao longo da história, independentemente da classe.

Aqui estão os 23 símbolos antigos mais importantes que tiveram uma relevância significativa na religião, mitologia e cultura antigas.

Índice

    1. o Ankh (Antigo Egipto)

    O Ankh egípcio, também chamado de Chave da Vida.

    Devanath via Pixabay

    O Ankh é uma das partes mais antigas, proeminentes e importantes dos hieróglifos egípcios antigos.

    Também chamado de "Chave da Vida", o Ankh tem a forma de uma cruz com um laço no topo, o que faz com que se assemelhe a uma chave.

    De acordo com a cultura egípcia antiga, o Ankh significa "vida" e simboliza os órgãos reprodutores masculino e feminino.

    O laço representa o útero e a cruz representa o falo e a sua união forma a vida.

    Noutros textos, o Ankh é também considerado como o símbolo da água e do ar, que são elementos básicos que dão vida.

    Devido a este facto, muitas embarcações de água foram moldadas com a forma do Ankh.

    As obras de arte do Antigo Egipto também mostravam deuses a dar os símbolos Ankh aos faraós, o que cimentava ainda mais a divindade dos faraós como dadores de vida a todo o Egipto.

    O Ankh também era colocado em sarcófagos, pois era considerado um símbolo de ressurreição e um canal de energia vital que provém do universo.

    Por isso, era também utilizado como amuleto contra a morte, o mal, a degeneração e a decadência.

    2) Coruja de Atena (Grécia Antiga)

    Em 479 a.C., foi emitida pela primeira vez em Atenas uma moeda de prata representando a coruja de Atena.

    Cortesia da imagem: Wikimedia Commons

    Na mitologia grega, uma pequena coruja é frequentemente representada sentada no ombro de Atena, a deusa grega da sabedoria e da guerra estratégica.

    Embora os estudiosos não tenham conseguido encontrar uma associação concreta entre Atena e a coruja, alguns acreditam que a capacidade da coruja de ver no escuro representa o conhecimento e a iluminação, que são características de Atena.

    Independentemente da forma como a associação foi formada, a coruja é considerada ao longo da história como um símbolo de sabedoria, conhecimento, perspicácia e clarividência.

    É também devido a este símbolo antigo que as corujas em geral são consideradas aves sábias.

    3. mandala (budismo)

    Uma pintura de Mandala de Vishnu.

    Jayateja (, falecido em N/A), Domínio público, via Wikimedia Commons

    No Budismo, a Mandala, que significa círculo, é um padrão geométrico que representa o universo e a sabedoria.

    Acredita-se que a mandala representa o espírito dos ensinamentos Vajrayana que afirmam que a mente humana é um microcosmo que representa os poderes divinos em ação no universo.

    O círculo exterior de fogo simboliza a sabedoria, enquanto o anel de oito cemitérios serve para recordar a morte e a transitoriedade da vida.

    Por isso, representa uma mente iluminada.

    Noutros textos, o anel de cemitérios representa a natureza perigosa da vida humana. No centro está o Palácio Mandala, que se acredita ser a casa dos Budas e das divindades.

    4. corvo (Religiões Múltiplas)

    Os corvos são provavelmente as aves mais famosas da mitologia nórdica.

    Imagem cortesia: piqsels.com

    Atualmente, o corvo é considerado uma ave necrófaga que se alimenta do corpo de seres humanos e animais mortos.

    Nas religiões antigas, porém, esta ave ocupa uma posição mais elevada.

    Acredita-se que o corvo é o arauto dos segredos cósmicos que podem revelar presságios e prever o futuro.

    É também um símbolo de sabedoria poderosa, de acuidade mental e de grande energia.

    Os corvos são provavelmente as aves mais famosas da mitologia nórdica, pois são as aves companheiras do Pai de Tudo, Odin.

    O principal deus nórdico tinha dois corvos chamados Huginn e Muninn - que significam "memória" e "pensamento", respetivamente - que voavam por toda a Midgard (Terra) e traziam notícias de tudo o que viam e ouviam.

    Na cultura indígena americana, o corvo era uma ave mágica e os homens santos invocavam-no para obter o dom da previsão e da perspicácia.

    As tribos Navajo, Zuni e Hopi consideram o pássaro como um portador de luz e criação devido à crença de que o corvo criou a Terra ao deixar cair pedras no mar e fazer ilhas, e ao trazer a luz do sol para os humanos.

    Nas culturas grega e romana, o corvo é um animal solar associado ao sol, à luz e à sabedoria e aos seus respectivos deuses, Apolo e Atena.

    5. Mjolnir (Nórdico)

    Desenho de um pendente de prata dourada Mjölnir da Era Viking encontrado na Suécia (martelo de Thor).

    Prof. Magnus Petersen / Herr Steffensen / Arnaud Ramey / Domínio público

    Mjolnir é o martelo de Thor, o deus do trovão e do relâmpago. Mjolnir é um dos símbolos históricos mais conhecidos e é considerado a arma mais poderosa que existe, capaz de esmagar montanhas.

    Quando Thor lançava o martelo, este voltava sempre para ele como um boomerang.

    Para além de ser uma arma formidável, o Mjolnir era também um objeto cerimonial e era utilizado em rituais de santificação para garantir o bem-estar da comunidade viking e para abençoar casamentos, nascimentos e funerais.

    Os amuletos moldados na forma de Mjolnir eram usados para cura e segurança.

    Assim, o Mjolnir não só representava poderes destrutivos, como também simbolizava a proteção contra o mal.

    6. deus com chifres (Wicca)

    O Deus Chifrudo é um símbolo com raízes na Europa antiga.

    Otourly, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

    O Deus Chifrudo é um símbolo com raízes na Europa antiga, que remonta ao Paleolítico e cuja primeira aparição foi feita numa parede de uma caverna de 13.000 a.C., em França.

    Na religião wicca, o deus com chifres representa a polaridade masculina do universo e a força oposta à Deusa Tripla.

    Acredita-se também que está associado à natureza selvagem, à riqueza, à caça e à virilidade.

    Alguns estudiosos afirmam também que o Deus Cornífero transportava as almas dos mortos para o submundo.

    O conceito de deus com chifres também é visto no mito grego, no qual Osíris era considerado o deus com chifres da fertilidade, do renascimento e do submundo.

    7. escaravelho (Antigo Egipto)

    Os escaravelhos eram a personificação do sol da manhã e do renascimento no Egipto.

    Clker-Free-Vetor-Images via Pixabay

    O escaravelho é um antigo símbolo egípcio representado sob a forma de escaravelhos e era considerado a personificação do sol da manhã e do renascimento, o deus Khepri.

    No antigo Egipto, foram criados centenas de escaravelhos comemorativos para imortalizar os feitos de Amenhotep III, incluindo o escaravelho da caça à bola, que representa a vitória e a força sobre o caos.

    Por volta de 2000 a.C., os escaravelhos eram usados como amuletos para proteção contra os perigos do mundo mortal e da vida após a morte.

    Mais tarde, foram colocados escaravelhos no coração de uma múmia para que esta pudesse convencer Maat, a deusa da verdade, que julgava a alma de uma pessoa, de que esta era inocente e digna de confiança e que deveria passar para o além.

    Os escaravelhos eram também criados com asas, que simbolizavam o renascimento.

    8. Anúbis Antigo (Egipto)

    Uma representação do deus egípcio da mumificação e da vida após a morte, Anúbis, segurando um cetro Was.

    mohamed Hassan via Pixabay

    Anúbis é o deus dos mortos, da vida após a morte e o deus patrono das almas desamparadas e perdidas.

    Em muitas representações egípcias antigas, Anúbis é representado como um homem com a cabeça de um chacal. Os chacais eram encontrados em cemitérios, o que pode ser a razão pela qual os antigos egípcios o retrataram como tal.

    Anúbis era também representado como o protetor de Osíris, o deus do submundo, e guardava o seu corpo após a morte, supervisionava a mumificação e ajudava Osíris a julgar as pessoas na vida após a morte.

    Era também invocado para obter vingança através da imposição de maldições a outros, bem como para proteção contra maldições.

    Em muitos hieróglifos egípcios, Anúbis é visto a segurar um cetro, um bastão alto com uma cabeça de animal estilizada na parte superior e uma base bifurcada.

    Este cetro simbolizava o domínio e o poder e é também frequentemente encontrado em sarcófagos.

    9. pomba (Múltiplas religiões)

    Símbolo de uma pomba segurando um ramo de oliveira em sinal de paz e pacifismo .

    OpenClipart-Vectores via Pixabay

    O símbolo da pomba foi visto pela primeira vez em representações do início da Idade do Bronze e tem sido amplamente associado à paz em todo o mundo.

    Na antiga cultura mesopotâmica, a pomba era considerada a encarnação física de Inanna-Ishtar, a deusa da sexualidade, do amor e da guerra.

    No mito grego, a deusa do amor e da beleza, Afrodite, também estava associada às pombas.

    A pomba também é mencionada no cristianismo. Segundo o Antigo Testamento, uma pomba trouxe a Noé um ramo de oliveira, indicando que as águas do dilúvio estavam a recuar.

    Segundo o folclore eslavo, a pomba transportava a alma dos mortos para o mundo subterrâneo.

    10. Lua Tripla (Wicca)

    O símbolo da Lua Tripla numa taça cerimonial pagã .

    Amber Avalona via Pixabay

    A Lua Tripla é um símbolo da Deusa da Lua, que é a força divina oposta ao Deus Chifrudo.

    Acredita-se que este símbolo antigo representa as três fases da feminilidade: donzela, mãe e anciã.

    Na antiga tradição celta, a Lua Tripla representava os três destinos ou as irmãs Wyrd, que controlavam o nascimento, a vida e a morte.

    Na mitologia grega, o símbolo da Lua Tripla tem sido associado a Diana, a deusa da lua e da caça.

    11. o Pentagrama (Múltiplas religiões)

    O pentagrama simbolizava a proporção áurea na cultura grega antiga.

    OpenClipart-Vectores via Pixabay

    O pentagrama é uma estrela regular de cinco pontas, que foi vista pela primeira vez em representações da Mesopotâmia de 3000 a.C.

    Nos tempos da Babilónia, os cinco pontos da estrela representavam os planetas Júpiter, Mercúrio, Marte, Saturno e Vénus.

    Na cultura grega antiga, o pentagrama representava a proporção áurea, que simbolizava a perfeição.

    Por isso, o símbolo era considerado uma poderosa proteção contra as forças do mal.

    Os hebreus também utilizaram o símbolo para representar a Verdade e os cinco livros do Pentateuco.

    No cristianismo, as cinco pontas representam as feridas recebidas por Cristo. Os druidas referiam-se ao pentagrama como a Divindade.

    12. a Triquetra (mito celta)

    A Triquetra, também conhecida como o Nó da Trindade, foi adoptada pelos cristãos a partir dos celtas.

    Peter Lomas via Pixabay

    O nó triquetra, também chamado nó da trindade, é composto por três ovais pontiagudos que se intersectam.

    O símbolo era utilizado pelos celtas e remonta a 500 a.C., quando era utilizado para simbolizar a Deusa Tripla.

    Também é usada para simbolizar os elementos ar, água e terra, que criam um círculo infinito de vida, morte e renascimento. Como tal, era usada como uma runa de proteção.

    O símbolo foi mais tarde adotado pelos cristãos na Irlanda para representar a Santíssima Trindade.

    13. o Caduceu (Grécia Antiga)

    O Caduceu era o bastão de Hermes no mito grego.

    OpenClipart-Vectores via Pixabay

    No mito grego, o Caduceu era o bastão de Hermes, o deus mensageiro alado. O símbolo é representado por duas serpentes entrelaçadas num bastão alto.

    Nalgumas versões, o bastão tem também asas, associando-o ainda mais a Hermes.

    O equivalente romano de Hermes é Mercúrio e também ele é simbolizado pelo Caduceu.

    Mercúrio é também o deus das viagens, da eloquência, da comunicação, da adivinhação, do comércio, do roubo e o guia das almas para o submundo.

    Por isso, o Caduceu simboliza tudo o que Mercúrio representava.

    No mundo moderno, existe uma controvérsia permanente sobre a utilização do Caduceu no domínio da medicina.

    O verdadeiro símbolo da ciência médica é a vara de Asclépio, que era a divindade da cura e da medicina.

    O símbolo é diferente do Caduceu, na medida em que tem apenas uma serpente entrelaçada numa haste e o bastão não tem asas.

    Veja também: O simbolismo do silêncio (10 principais significados)

    14. yin e yang (China antiga)

    Yin e Yang simbolizam as energias negativas e positivas do universo.

    OpenClipart-Vectores via Pixabay

    Na filosofia chinesa, o símbolo Yin e Yang consiste num círculo dividido por uma linha em forma de S num segmento escuro e num segmento claro, cada um contendo a semente da força oposta.

    No Taoísmo, o círculo exterior representa a fonte de toda a existência. A metade preta é o Yin qi, que é a energia negativa feminina, enquanto a metade branca é o Yang qi, que é a energia positiva masculina.

    O símbolo representa a divisão e a interação contínua das energias criativas, que é a fonte de toda a existência no universo.

    A pequena semente dentro do Yin e Yang indica que as duas forças nunca são independentes uma da outra e podem transformar-se uma na outra.

    Por exemplo, o nascimento vem com a morte; a morte dá lugar ao renascimento, tal como a noite dá lugar ao dia.

    15) Fleur de Lis (Europa)

    A flor de lis é um símbolo com a forma de um lírio estilizado.

    OpenClipart-Vectores via Pixabay

    A flor de lis é um símbolo com a forma de um lírio estilizado e encontra-se em muitos emblemas católicos, sobretudo em França, mas também noutros países europeus, como o Reino Unido e a Bósnia e Herzegovina.

    O símbolo foi utilizado para representar a luz, a vida e a perfeição, bem como a realeza francesa.

    Segundo a lenda francesa, quando Clóvis, rei merovíngio dos francos, se converteu ao cristianismo, um anjo ofereceu-lhe um lírio dourado, que simbolizava a sua purificação.

    No entanto, a flor de lis é utilizada desde a antiguidade e era frequentemente representada nas culturas cita e mesopotâmica.

    O símbolo está também representado em moedas e selos do século X.

    16. olho de Hórus (Antigo Egipto)

    O Olho de Hórus está associado ao deus egípcio do céu, Hórus.

    Imagem cedida por: ID 42734969 © Christianm

    Um dos mais famosos e belos símbolos da mitologia egípcia é o Olho de Hórus, que é representado como um olho estilizado com uma longa gota de lágrima e outra longa linha que termina numa curva.

    O símbolo está associado ao deus Hórus, o deus mais amado e popular da Enéada, que representava muitas coisas, incluindo o céu, a cura, a regeneração, o sacrifício, a proteção e a plenitude.

    Devido às suas muitas qualidades positivas, o Olho de Hórus era frequentemente esculpido em jóias e amuletos para garantir a proteção e a saúde contínua de quem o usava e para lhe trazer sabedoria e prosperidade.

    O Olho de Hórus é também único, pois é composto por seis peças diferentes, cada uma das quais representa um sentido diferente do homem: a visão, o olfato, a audição, o paladar, o tato e o pensamento.

    Cada secção corresponde igualmente a um valor fracionário: ½, ¼, 1/8, 1/16, 1/32 e 1/64 que, somados, não perfazem 1 inteiro, mas sim 63/64.

    Segundo os antigos egípcios, a fração restante de 1/64 representa magia ou indica que nada no mundo é perfeito.

    17. árvore da vida (religião celta)

    A Árvore da Vida é um símbolo de vida eterna, energia e renovação.

    AnnaliseArt via Pixabay

    A Árvore da Vida é um símbolo da vida eterna, da energia e da renovação. Na antiga religião celta, a Árvore da Vida remonta a, pelo menos, 2000 a.C., altura em que as árvores eram uma parte importante da cultura celta, pois cuidavam de toda a vida.

    As árvores estavam também associadas aos espíritos e ao mundo sobrenatural.

    De facto, o carvalho era particularmente sagrado e era conhecido por "daur", que significa porta.

    Isto indica que os Celtas acreditavam que o carvalho era um portal para o reino dos mortos ou para o Outro Mundo, o reino das fadas.

    Como tal, era também considerada o centro do mundo.

    A Árvore da Vida estava também associada à força, à longevidade, ao renascimento e à sabedoria e os Celtas acreditavam que se cortassem as árvores sagradas dos seus inimigos, estes ficariam sem poder.

    18. Ouroboros (Múltiplas religiões)

    Desenho de Ouroboros de um manuscrito alquímico grego bizantino do final da Idade Média.

    iluminador medieval anónimo; carregador Carlos adanero, Domínio público, via Wikimedia Commons

    O Ouroboros é um dos símbolos mais antigos e místicos que apareceu no antigo Egipto já em 1600 a.C.

    O símbolo mostra uma cobra a comer a sua própria cauda, o que representa a transmigração das almas ou a natureza cíclica da vida, morte e renascimento, bem como o início e o fim do tempo.

    O sinal de Ouroboro também representa a fertilidade, uma vez que a boca da serpente é o símbolo do útero e o conto é um símbolo fálico.

    Acredita-se também que o símbolo matemático do infinito deriva do Ouroboros.

    O símbolo também foi visto nos primeiros textos alquímicos como uma cobra preta e branca a comer a sua própria cauda.

    Este símbolo pode apontar para a dualidade gnóstica da existência e é semelhante à filosofia Yin e Yang da China antiga.

    19. Fénix (Religiões múltiplas)

    A Fénix é uma ave de fogo que tem um grande significado nas culturas egípcia e grega antigas.

    Eartha Cranston via pixy.org / CC0

    A fénix, também conhecida como o símbolo de Bennu, é uma ave que tem um grande significado nas culturas egípcia e grega antigas.

    Veja também: Top 14 Símbolos antigos de bravura & Coragem com significados

    O seu nome tem origem na palavra "Weben", que significa "brilhar" ou "erguer-se", o que está de acordo com a sua capacidade de morrer num espetáculo de combustão e depois renascer das cinzas.

    Como tal, está associada ao fogo e ao sol e é um símbolo de renascimento.

    Acredita-se que a ave tem uma cor vibrante, embora as fontes antigas não estejam de acordo quanto às cores exactas que ostenta.

    Na cultura grega, a ave era venerada como uma divindade em Heliópolis, onde se acredita que vivia na pedra Benben ou no salgueiro sagrado.

    Acredita-se também que o seu grito assinala o início do tempo e foi associado ao planeta Vénus.

    20. Dragão (Religiões múltiplas)

    O dragão é um símbolo de autoridade imperial, poder e glória.

    Imagem cortesia: pikrepo.com

    Os dragões são representados como grandes e temíveis criaturas serpentinas, com ou sem asas.

    Na cultura chinesa, o dragão permaneceu no topo da hierarquia dos animais e é considerado um símbolo de autoridade imperial, poder, glória e força.

    Estas criaturas míticas estão também associadas à água e acredita-se que controlam as chuvas, os furacões e as inundações, bem como protegem os rios, as nascentes e os poços.

    Os dragões são também representados noutras culturas asiáticas, incluindo a japonesa, a coreana e a vietnamita.

    A maioria destes países considera os dragões como o símbolo da prosperidade, supremacia, longevidade, fertilidade, vida, crescimento e regeneração.

    São também guardiães do tesouro.

    21. estrela de David (religião judaica)

    Um relevo em pedra da Estrela de David, também conhecida como Escudo de David.

    Imagem de wal_172619 from Pixabay

    A Estrela de David, também conhecida como Escudo de David, tem origem na religião judaica.

    Os registos históricos mostram que a representação mais antiga da Estrela de David era um hexagrama ou dois triângulos equiláteros unidos.

    A Estrela de David foi utilizada como motivo nas sinagogas já nos séculos III e IV e foi esculpida em lápides judaicas a partir do século III d.C.

    Para além das suas associações judaicas, este símbolo tem, no entanto, um significado mais místico.

    Alguns estudiosos pensam que as seis pontas da estrela assinalam o domínio de Deus sobre todas as direcções do universo: norte sul, este, oeste, cima e baixo.

    Outros estudiosos acreditam que os dois triângulos equiláteros que apontam em direcções diferentes mostram a relação entre Deus e o homem ou a dualidade da natureza humana.

    22. o Olho da Providência (Múltiplas religiões)

    O Olho da Providência é um símbolo da providência e da omnisciência divinas.

    Manfred Antranias Zimmer via Pixabaystä

    Muitas pessoas acreditam que o Olho da Providência é o símbolo de Satanás ou Lúcifer, mas na realidade, o Olho da Providência ou o Olho Que Tudo Vê é um símbolo da providência divina e da omnisciência.

    O símbolo antigo é utilizado no cristianismo para representar a Santíssima Trindade e o símbolo representa o Deus que vela pelos seus súbditos e lhes oferece uma orientação benevolente.

    Para além do cristianismo, o Olho da Providência também foi encontrado noutras religiões como o budismo, que se referia ao símbolo como o "Olho do Mundo" e o caodaísmo, em que se acredita que o olho é a imagem de Deus.

    É também um símbolo muito importante na maçonaria.

    23. flor de lótus (várias religiões)

    A flor de lótus é um símbolo da criação e do renascimento.

    Nam Nguyen via Pixabay

    A flor de lótus ocupa um lugar de destaque tanto na religião egípcia como na budista.

    Desempenha um papel importante numa história sobre a criação do universo, que teve origem em Heliópolis.

    A história conta que, antes da criação do universo, não havia nada para além de água estagnada sem fim, que deu origem a um ser mítico chamado Nun.

    Uma flor de lótus emergiu de Nun, juntamente com a primeira terra seca. Das pétalas abertas da flor emergiu o deus-sol Atum ou Rá para dar origem ao dia. É nessa flor que o deus-sol regressava todas as noites.

    Como tal, a flor de lótus é um símbolo de criação e renascimento.

    No budismo, a flor de lótus representa o espírito puro do homem, que deve ter como objetivo o desprendimento do mundo.

    Resumo

    Estes são apenas alguns símbolos que desempenharam um papel importante no mundo antigo. Lembra-se de mais algum símbolo antigo importante que nos possa ter escapado? Diga-nos nos comentários abaixo.

    Referências

    1. //www.ancient.eu/Ankh/
    2. //books.google.com.pk/books?id=s4AP30k4IFwC&q=Minerva%27s+owl+wisdom&pg=PA71&redir_esc=y#v=snippet&q=Minerva%20owl%20wisdom&f=false
    3. //www.jstor.org/stable/30233691?seq=1
    4. //www.amnh.org/exhibitions/totems-to-turquoise/native-american-cosmology/raven-the-trickster
    5. //norse-mythology.org/symbols/thors-hammer/
    6. //archive.org/details/isbn_9780631172888/page/260/mode/2up
    7. //library.acropolis.org/the-symbolism-of-the-scarab/
    8. //www.ancient-origins.net/myths-legends/anubis-jackal-god-and-guide-ancient-egyptian-afterlife-006155
    9. //www.livescience.com/33001-why-do-doves-represent-love.html#:~:text=The%20dove%20was%20singled%20out,or%20resting%20on%20her%20hand.
    10. //medium.com/witchology-magazine/the-faces-of-the-goddess-82dcf0fe93d1
    11. //archive.org/details/continuumencyclo00beck
    12. //www.learnreligions.com/triquetra-96017
    13. //www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4439707/
    14. //www.youtube.com/watch?v=ezmR9Attpyc
    15. //www.fleurdelis.com/fleur.htm
    16. //www.cureus.com/articles/19443-the-eye-of-horus-the-connection-between-art-medicine-and-mythology-in-ancient-egypt
    17. //irisharoundtheworld.com/celtic-tree-of-life/
    18. //www.bbc.com/culture/article/20171204-the-ancient-symbol-that-spanned-millennia
    19. //books.google.com.pk/books?id=jwIVAAAAIAAJ&pg=PA146&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
    20. //umich.edu/~umfandsf/symbolismproject/symbolism.html/D/dragon.html#:~:text=O%20dragão%20é%20um%20símbolo,de%20chaos%20e%20natureza%20descontrolada.
    21. //www.chinahighlights.com/travelguide/article-chinese-dragons.htm
    22. //www.chabad.org/library/article_cdo/aid/788679/jewish/Star-of-David-The-Mystical-Significance.htm
    23. //journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1068/p4301ed?frame=sidebar&
    24. //www.binghamton.edu/iaad/outreach/Meaning%20of%20the%20Lotus%20Flower%20-%20%20handout.pdf

    Imagem de cabeçalho cortesia: Ri Butov via Pixabay




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.