Símbolos do bem e do mal e seus significados

Símbolos do bem e do mal e seus significados
David Meyer

O bem contra o mal é uma dicotomia importante presente na religião, na filosofia e na psicologia. Nas religiões abraâmicas, o mal é geralmente representado como o oposto do bem que deve ser derrotado. Na ideologia espiritual budista, tanto o bem como o mal são duas partes da dualidade antagónica da vida.

O mal é frequentemente descrito como uma profunda imoralidade e, se interpretado através da lente da religião, é muitas vezes explicado como uma força sobrenatural. No entanto, as características normalmente associadas ao mal incluem o egoísmo, a ignorância, a negligência ou a violência.

A noção de bem vs. mal também pode ser interpretada logicamente. Tanto o bem como o mal são conceitos dualistas que coexistem. Se não existisse o mal, não se poderia reconhecer o bem, nem apreciá-lo ou diferenciá-lo.

A principal diferença entre o bem e o mal é que um traz prazer, enquanto o outro é a causa da desilusão e da miséria. Por isso, pode dizer-se que o conceito de dualidade anda de mãos dadas na vida.

Vejamos a seguir os 7 principais símbolos do bem contra o mal:

Índice

    1. Yin e Yang

    Yin e Yang

    Gregory Maxwell, Domínio público, via Wikimedia Commons

    No âmbito da filosofia chinesa, Yin-yang significa escuro-luz ou o negativo e o positivo. Yin e yang é um conceito chinês que explica como forças opostas são complementares entre si e se interligam.

    Estas forças podem inter-relacionar-se no nosso mundo normal. A cosmologia chinesa afirma que o universo é composto por energia material e caos. Estes elementos estão organizados em Yin e Yang. O Yin consiste na parte recetiva, enquanto o yang consiste na parte ativa.

    Isto pode ser testemunhado ativamente na natureza, como o verão e o inverno, a ordem e a desordem, ou o macho e a fêmea. (1)

    2. o sinal da buzina

    Mano Cornuto / Sinal de chifres

    Sinal de chifres por Symbolon do Projeto Noun

    Veja também: Qual é a pedra de nascimento do dia 2 de janeiro?

    O sinal da buzina é um gesto de mão que consiste em levantar o dedo indicador e o dedo mindinho, mantendo o dedo médio e o anelar junto ao polegar. Este gesto de mão tem muitos significados diferentes em diferentes culturas.

    No Hatha yoga, este gesto com as mãos chama-se "Apana Mudra" e é conhecido por revitalizar o corpo. Este gesto também é utilizado em muitas formas de dança clássica indiana.

    No budismo, este gesto é conhecido como "Karana Mudra" e é conhecido por expulsar a energia negativa. (2)

    Em muitas culturas mediterrânicas, como a italiana, o sinal do chifre é utilizado para afastar a má sorte e o mau olhado. Neste contexto, o sinal do chifre é normalmente executado com os dedos virados para baixo ou a apontar para a pessoa.

    Na Wicca, o sinal do chifre é executado durante as cerimónias religiosas para fazer referência ao deus chifrudo. (3)

    3. o corvo e a pomba

    Apesar de o corvo e a pomba serem ambas aves, significam conceitos muito diferentes. Os corvos são de cor preta e de grande porte, podendo por vezes alimentar-se de cadáveres, pelo que são normalmente identificados como sendo de mau agouro.

    O símbolo do corvo é, por vezes, utilizado para predizer desastres ou mesmo a morte. As pombas são de um branco puro, pequenas, gentis e bonitas. São utilizadas como sinal de paz e simbolizam a tranquilidade da mente. Espiritualmente, as pombas são utilizadas para representar a divindade e a graça.

    4. elefantes

    Elefante

    Dario Crespi, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

    Os elefantes são frequentemente vistos como um sinal de boa sorte na Índia. Na mitologia hindu, o deus Ganesha, com cabeça de elefante, é conhecido por ser o deus dos novos começos.

    Acredita-se que Ganesha é o removedor de obstáculos e é ativamente venerado na região de Maharashtra, na Índia. Em muitas outras culturas do mundo, os elefantes também são considerados afortunados. As pessoas costumam manter pinturas ou esculturas de elefantes em suas casas. Eles também são frequentemente vistos como um sinal de fertilidade. (4)

    Veja também: Qual foi a primeira empresa de automóveis?

    5. dragões

    Dragão oriental

    Cortesia da imagem: piqsels.com

    Os dragões são frequentemente retratados como monstros perigosos e maléficos que cospem fogo na cultura ocidental. Nos contos ocidentais, os dragões são normalmente domesticados ou derrotados pelo protagonista. São frequentemente retratados como vivendo em cavernas, tendo apetites vorazes e acumulando tesouros.

    Mas na mitologia chinesa, o dragão é um animal mítico proeminente que tem um enorme significado. Os chineses descrevem os dragões como sendo solidários e úteis. A presença de um dragão na sua vida representa poder, estatuto, boa sorte e energia positiva. (5)

    6) A sílaba "Om".

    Símbolo Om

    The Unicode Consortium, domínio público, via Wikimedia Commons

    O significado da sílaba "Om" está na própria base do hinduísmo, sendo considerado um símbolo muito auspicioso e o primeiro som do universo.

    A sílaba "Om" representa os três aspectos do ser humano, ou seja, a mente, o corpo e o espírito. É também um símbolo que representa as diferentes fases da consciência, o que inclui alcançar a iluminação.

    7) Kirtimukha

    Kirtimukha

    Sailko, CC BY 3.0, via Wikimedia Commons

    O Kirtimukha é representado como um monstro feroz com enormes presas e uma boca escancarada. Simbolicamente, o Kirtimukha é um símbolo auspicioso, especialmente na região sul da Índia.

    As esculturas de Kirtimukha são frequentemente colocadas em portas, casas e templos para atrair a boa sorte e afastar todo o mal. Em sânscrito, "Kirti" refere-se à glória e à fama, enquanto "mukha" se refere ao rosto. O nome Kirtimukhas traduz-se no rosto da glória e da fama.

    Resumo

    Os símbolos do bem e do mal têm existido ao longo da história, com significados diferentes consoante a ideologia, a cultura e a região.

    Quais destes símbolos do bem e do mal já conhecia? Diga-nos nos comentários abaixo.

    Referências

    1. Feuchtwang, Stephan (2016). As religiões no mundo moderno: tradições e transformações Nova Iorque: Routledge. p. 150
    2. Chakraborty, Shruti (4 de janeiro de 2018). "O símbolo do partido de Rajinikanth é o mesmo que Apana Mudra para 'desintoxicação e purificação'?". O Expresso Indiano .
    3. Wicca: um guia para o praticante solitário por Scott Cunningham, p. 42.
    4. //www.mindbodygreen.com/articles/good-luck-symbols
    5. //www.mindbodygreen.com/articles/good-luck-symbols

    Imagem de cabeçalho cortesia: pixabay.com




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.