Símbolos nativos americanos de força com significados

Símbolos nativos americanos de força com significados
David Meyer

Os símbolos têm sido uma parte significativa da cultura e da tradição desde o início da humanidade. Normalmente, têm um significado implícito subjacente relevante para a cultura ou a geografia - ideias, objectos e acções podem constituir símbolos. Os símbolos podem ter origem em fenómenos naturais ou ser artificiais, e podem ser tangíveis ou intangíveis.

A cultura nativa americana é rica em símbolos que dão a conhecer as suas tradições, processos de pensamento e rituais importantes. Estes símbolos centram-se em grande parte na sua língua, espaços sagrados, objectos especiais e animais venerados.

Aqui listamos os 8 símbolos de força nativos americanos mais importantes e a magnitude do seu significado:

Índice

    1. a seta

    Um homem a segurar uma seta de um nativo americano

    Foto 149807223 © Alexeyleon

    Na cultura dos nativos americanos, a seta representava proteção e autodefesa. Se esta seta simbólica estivesse virada para o lado esquerdo, significava afastar qualquer mal. Se a seta estivesse virada para o lado direito, significava proteção.

    Veja também: Top 8 flores que simbolizam a fé

    Se a seta estivesse virada para baixo, simbolizava a paz. A seta também era importante devido ao seu significado na caça e na recolha. Uma seta solitária também representava poder, direção, movimento e força. (1)

    2. a cabeça de seta

    Pontas de seta dos nativos americanos

    David R. Ingham, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

    Utilizada como golpe final para acabar com o inimigo, a ponta de flecha é extremamente significativa na cultura dos índios americanos. Simbolicamente, também era usada como talismã ou colar para proteger uma pessoa dos maus espíritos.

    A ponta de flecha representa também a vigilância, a defesa e a proteção. As bugigangas de ponta de flecha eram construídas principalmente com osso, metal e pedras preciosas. Na cultura nativa americana, a ponta de flecha representa também a coragem e a bravura. (2)

    3. irmãos

    A imagem de dois irmãos é um importante símbolo nativo americano de força. Acredita-se fortemente na fraternidade, tanto literal como metaforicamente. Literalmente, representa a unidade entre diferentes povos e diferentes tribos. Metaforicamente, implica equilíbrio e dualidade (3).

    Significa duas pessoas que partilham uma viagem ou um percurso de vida semelhante, implicando também lealdade, igualdade e uma ligação entre pessoas. O símbolo de dois irmãos unidos pelos pés também representa a igualdade.

    4. urso

    Arte indígena, totem do urso - O urso é um espírito de força

    Brigitte Werner / CC0

    Os nativos americanos sempre tiveram um lugar especial no seu coração para os ursos. Este símbolo está presente em inúmeros desenhos, em máscaras, jóias e outros tipos de arte. O urso representa uma multiplicidade de significados.

    Representa o poder e a força, a cura, o ensino, a aprendizagem, a humildade e até o sonho. Nas culturas nativas americanas, os ursos eram venerados devido às suas qualidades humanas. Muitas peças de arte indígena representam ursos para significar amizades e, por vezes, são também representados a sorrir (4).

    5. borboleta

    Borboleta

    Captain-tucker, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

    Na cultura nativa americana, a borboleta implicava transformação. A cor da borboleta também tinha significado. Uma borboleta preta significava más notícias ou doença grave. Uma borboleta amarela mostrava orientação e esperança.

    Veja também: Geb: Deus egípcio da Terra

    As borboletas castanhas significavam informações importantes ou notícias, e uma borboleta branca significava sorte positiva. O símbolo da borboleta também era comum em jóias. Indo um pouco mais fundo, as borboletas também eram vistas como mensageiras do mundo espiritual e eram comunicadoras em sonhos. Também simbolizavam a paz.

    6. o Thunderbird

    Escultura no parque de arte

    A.Davey de Portland, Oregon, EE UU, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

    Um dos símbolos de força mais dominantes dos nativos americanos, esta ave está presente nas lendas e na arte (5). O símbolo do pássaro-trovão representava força, poder e proteção. Os nativos americanos viam o pássaro-trovão como uma criatura mítica que dominava toda a atividade natural.

    O pássaro-trovão estava localizado nas montanhas do noroeste do Pacífico e não gostava que ninguém se aventurasse demasiado perto da sua casa. Era conhecido por criar rugidos de trovão ao bater as asas e podia disparar relâmpagos dos seus olhos.

    O pássaro-trovão também criava tempestades de onde crescia a vegetação. Pensava-se que era tão grande que a envergadura das suas asas media o tamanho de duas canoas e podia facilmente levantar uma orca da água com as suas enormes garras. (6)

    6. baleia assassina

    Baleia assassina

    Imagem cortesia: needpix.com

    A baleia assassina ou orca era vista como um símbolo nativo americano de força. A orca era vista como a governante e guardiã do mar devido ao seu poder e grande tamanho. Era também considerada como uma poderosa caçadora do mar. As baleias assassinas eram também símbolos de romance e longevidade.

    Pensava-se que se um pescador ferisse uma orca, a sua canoa viraria e afundaria todos os pescadores, levando-os para a "Aldeia das Baleias", onde os pescadores se transformariam também em baleias.

    Na lenda dos nativos americanos, a baleia assassina era considerada a presa do poderoso pássaro trovão, que era suficientemente forte para carregar a baleia assassina e levá-la para as montanhas (7).

    7. cactos

    Cato

    Cortesia da imagem: pxfuel.com

    Nas culturas nativas americanas, o cato era visto como um símbolo que representava o amor materno, o calor e o afeto. Como o cato consegue sobreviver a condições adversas, era visto como um símbolo do amor materno incondicional e inabalável.

    Os cactos também representavam os cuidados maternos, pois possuíam propriedades curativas e medicinais: a polpa e o sumo dos cactos eram utilizados para curar feridas e problemas digestivos (8).

    8. lua

    Lua

    Robert Karkowski via Pixabay

    As lendas dos nativos americanos viam a lua como um símbolo de proteção, como provedora de serenidade e guardiã da terra. Muitas lendas dos nativos americanos contavam anedotas sobre a lua.

    Uma dessas lendas dizia que o eclipse era um bacalhau que tentava engolir a lua e que, para evitar que isso acontecesse, era necessário fazer fogueiras com ramos de pinheiro ou de outras árvores para gerar fumo, o que faria com que o bacalhau voltasse a cuspir a lua pela boca (9).

    Conclusão

    Os símbolos de força dos nativos americanos foram transmitidos ao longo de gerações e sobrevivem até hoje. Os membros tradicionais das famílias, tribos e comunidades nativas americanas continuam a ser os guardiões desse conhecimento.

    Os povos indígenas da América continuam a manter a sua antiga tradição de incorporar imagens e símbolos do mundo natural, utilizando-os para criar lendas e histórias, para realizar cerimónias e alimentar a vida espiritual. (10)

    Referências

    1. //www.rutlandherald.com/opinion/commentary/schneider-arrowhead-symbolism/article_857df3c3-6b3c-51d1-aaf4-635bb2e7b02d.html
    2. //www.nativeamericanjewelry.com/symbol-meanings/
    3. Uma visão geral da arte indígena nativa do noroeste do Pacífico. Clint Leung. Galeria Free Spirit. 2006. P.20
    4. Uma visão geral da arte indígena nativa do noroeste do Pacífico. Clint Leung. Galeria Free Spirit. 2006. P.18
    5. //spiritsofthewestcoast.com/collections/the-thunderbird-symbol
    6. Uma visão geral da arte indígena nativa do noroeste do Pacífico. Clint Leung. Galeria Free Spirit. 2006. P.22
    7. //succulentcity.com/what-does-it-mean-if-someone-gives-you-a-cactus/
    8. //spiritsofthewestcoast.com/collections/the-moon-symbol
    9. Símbolos que se cruzam na cultura material indígena americana e africana: difusão ou invenção independente e quem decide? Donna L. Moody, Escola de Pós-Graduação da Universidade de Massachusetts Amherst, Departamento de Antropologia. 2013.

    Imagem de cabeçalho cortesia: maxpixel.net




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.