Significados simbólicos de verde na literatura (6 principais interpretações)

Significados simbólicos de verde na literatura (6 principais interpretações)
David Meyer

Da natureza à inveja, do crescimento à riqueza, o verde tem um vasto leque de significados e interpretações, consoante o contexto em que é utilizado.

Neste artigo, vamos explorar os vários significados simbólicos do verde na literatura e examinar como os autores utilizaram esta cor para transmitir diferentes mensagens e temas nas suas obras.

Foto de John-Mark Smith

Índice

    Diferentes significados de verde na literatura

    O verde é uma cor versátil que pode ser utilizada para simbolizar diferentes ideias e emoções na literatura (1), dependendo do contexto e das intenções do autor. Vejamos esses significados e ideias em pormenor.

    Natureza e ambiente

    Na literatura, o verde é frequentemente associado à natureza e ao ambiente, sendo a cor da relva, das folhas e das árvores e, como tal, é frequentemente utilizado para descrever ambientes naturais.

    Por exemplo, no romance de F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, a luz verde no fim da doca de Daisy representa tanto o desejo de Gatsby de regressar ao passado como a esperança de um futuro melhor. (4)

    É também um símbolo da beleza natural que os rodeia, as árvores e a água da baía. Do mesmo modo, em O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien, as florestas de Lothlorien são descritas como estando "revestidas de um manto verde primaveril, movidas pelo sopro da primavera e agitadas pela voz da água que cai".

    Aqui, a cor verde é utilizada para evocar a imagem de um cenário natural exuberante e vibrante, e para reforçar a ideia da importância da natureza para a história. (2)

    Ciúme

    Outra associação comum com o verde na literatura é a inveja ou o ciúme, talvez mais famosa na peça Otelo, de William Shakespeare, em que a personagem Iago descreve o ciúme como "o monstro de olhos verdes que zomba da carne de que se alimenta".

    Aqui, a cor verde é utilizada para representar a natureza destrutiva do ciúme e da inveja, que consome a pessoa que o experimenta.

    Na mesma linha, no conto "A filha de Rappaccini", de Nathaniel Hawthorne, a personagem Beatrice é associada à cor verde, que representa a sua natureza venenosa e a inveja e o desejo que suscita nos outros.

    Estes exemplos demonstram como o verde pode ser utilizado para transmitir emoções e ideias negativas na literatura. (2)

    Crescimento

    O verde também pode ser utilizado para representar o crescimento, a renovação e a vitalidade. No romance infantil de Frances Hodgson Burnett, O Jardim Secreto, a cor verde é utilizada para representar o poder rejuvenescedor da natureza.

    Capa do livro: O Jardim Secreto de Frances Hodgson Burnett (1849-1924)

    Biblioteca Houghton, domínio público, via Wikimedia Commons

    O jardim que a protagonista, Mary, descobre é descrito como sendo "todo verde e prateado... parecia que a própria terra tinha enviado o spray amoroso." Aqui, a cor verde é usada para evocar um sentido de vida e vitalidade, bem como o poder transformador da natureza.

    Do mesmo modo, no poema de T.S. Eliot "The Waste Land", a frase "April is the cruellest month" é seguida de uma descrição do "agitar" da terra e da chegada dos "lilases da terra morta". Aqui, o verde representa a promessa de uma nova vida e a possibilidade de crescimento, mesmo perante o desespero. (3)

    Dinheiro

    Na literatura, o verde é frequentemente utilizado para simbolizar a riqueza, o dinheiro e os bens materiais. Esta associação pode ser atribuída à cor das notas de banco americanas, que são frequentemente designadas por "greenbacks" devido à sua tonalidade verde caraterística.

    Veja também: A moda durante a Revolução Francesa (Política e Vestuário)

    Esta ligação entre o verde e o dinheiro tem sido utilizada por autores para transmitir temas relacionados com a riqueza, o poder e a ganância nas suas obras. Por exemplo, em O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, a personagem de Jay Gatsby está associada à cor verde, que representa a sua riqueza e opulência.

    Imagem de Freepik

    A luz verde no final da doca de Daisy é também um símbolo da riqueza e prosperidade que Gatsby está a tentar alcançar. (3)

    Doença e morte

    O verde também pode ser usado para simbolizar a doença e a morte, talvez porque a cor está associada à decadência e à decomposição. Em "A Máscara da Morte Vermelha", de Edgar Allan Poe, por exemplo, a cor verde é usada para representar a fase final da doença que está a assolar o reino.

    O narrador descreve como "havia dores agudas, e tonturas súbitas, e depois hemorragias profusas nos poros, com dissolução." A utilização da cor verde reforça aqui a ideia de decadência e a inevitabilidade da morte. (4)

    Juventude e inexperiência

    Na literatura, a cor verde é por vezes utilizada para representar a juventude e a inexperiência, uma vez que o verde está associado ao crescimento e ao desenvolvimento, características frequentemente associadas à juventude.

    Foto de Ashley Light no Unsplash

    Por exemplo, em The Catcher in the Rye (O Apanhador no Campo de Centeio), de J.D. Salinger, a personagem principal Holden Caulfield utiliza a cor verde para descrever uma criança a brincar num campo de centeio.

    Esta imagem representa a inocência e a vulnerabilidade da juventude, bem como a ideia de que os jovens ainda estão a crescer e a aprender. Assim, a cor verde na literatura pode ser um símbolo de juventude e inexperiência. (4)

    Conclusão

    Desde a natureza e a renovação, à inveja e ao ciúme, à riqueza e ao materialismo, à juventude e à inexperiência, e até à doença e à morte, o verde é uma cor que pode transmitir uma grande variedade de emoções e temas, dependendo do contexto e das intenções do autor.

    Veja também: Top 9 flores que simbolizam a riqueza

    Como leitores, é importante prestar atenção à utilização da cor na literatura e considerar os diferentes significados e simbolismos que lhe podem estar associados. Ao fazê-lo, podemos obter uma compreensão mais profunda do texto e da mensagem do autor. Quer o verde seja utilizado para representar a beleza da natureza ou a influência corruptora do dinheiro, o seu simbolismo é uma ferramenta poderosa que pode ajudar a trazerobras literárias à vida.

    Referência

    1. //literarydevices.net/colors-symbolism/
    2. //www.quora.com/What-does-the-green-colour-symbolize-in-literature
    3. //colors.dopely.top/inside-colors/color-symbolism-and-meaning-in-literature/
    4. //custom-writing.org/blog/color-symbolism-in-literature



    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.