Educação na Idade Média

Educação na Idade Média
David Meyer

Há muitos mal-entendidos sobre a educação durante a Idade Média. Muitas pessoas acreditam que havia pouca ou nenhuma educação e que as pessoas eram analfabetas. Embora o nível de educação dependesse do seu estatuto, houve um forte impulso para a educação em todos os sectores da sociedade na Idade Média.

Na Idade Média, a maior parte da educação formal era religiosa, ministrada em latim nos mosteiros e nas escolas das catedrais. No século XI, começámos a assistir à criação das universidades da Europa Ocidental. O ensino gratuito da alfabetização básica era oferecido pelas escolas paroquiais e dos mosteiros.

Veja também: Como eram feitas as casas do Antigo Egipto & Os materiais utilizados

A nobreza tinha mais probabilidades de ser educada formalmente, enquanto os camponeses eram instruídos no comércio, muitas vezes através de uma aprendizagem. Vamos falar da educação primária formal, das aprendizagens e da educação universitária no período medieval.

Índice

    Educação formal na Idade Média

    A maior parte das pessoas formalmente educadas na Idade Média eram rapazes, entregues à Igreja para serem educados, ou de origem nobre. Alguns tinham a sorte de ser educados por um mestre-escola da sua cidade.

    A maior parte da escolaridade formal na Idade Média era gerida pela Igreja. Os rapazes que deviam ser educados frequentavam os mosteiros ou as escolas das catedrais. Mesmo as poucas escolas municipais urbanas da época seguiam um currículo fortemente influenciado pela religião.

    Algumas raparigas eram educadas em escolas, ou em conventos, ou se fossem da nobreza. As raparigas também eram educadas pelas suas mães e por tutores.

    Normalmente, as crianças eram educadas se os pais acreditassem que valia a pena e tivessem dinheiro para o fazer. As escolas medievais podiam ser encontradas nas igrejas, ensinando as crianças a ler, nas escolas de gramática das cidades, nos mosteiros, nos conventos e nas escolas comerciais.

    Devido às despesas de preparação do pergaminho, os estudantes raramente tomavam notas e grande parte do seu trabalho era memorizado. Do mesmo modo, os testes e exames eram frequentemente orais e não escritos. Só mais tarde, nos séculos XVIII e XIX, se assistiu a uma mudança para exames universitários escritos.

    Com que idade se iniciava a educação na Idade Média?

    Para a aprendizagem, as crianças eram enviadas para serem treinadas e acolhidas pelos seus mestres a partir dos sete anos.

    A educação formal começava muitas vezes antes disso. A educação em casa começava logo aos três ou quatro anos, quando as crianças pequenas aprendiam rimas, canções e leitura básica.

    Muitas crianças aprendiam o essencial da leitura com as suas mães (se estas fossem educadas) para poderem ler os seus livros de orações.

    As mulheres da Idade Média não aprendiam a ler apenas por motivos religiosos, mas também para melhorar a sua capacidade de gerir a casa. Enquanto os homens estavam fora, quer em guerra, quer a percorrer as suas terras, quer por razões políticas, as mulheres tinham de gerir a casa, pelo que a leitura era essencial.

    Por exemplo, um rapaz que estudasse para ser membro do clero aprenderia provavelmente até à adolescência, e estudaria até ao fim da adolescência ou até aos vinte e poucos anos para desempenhar papéis de maior estatuto na sociedade, como advogados ou doutores em teologia.

    Como eram as escolas na Idade Média?

    A maioria dos estabelecimentos de ensino da Idade Média, por estarem sob a alçada da Igreja, eram sobretudo religiosos. O Canto Elementar, o Monástico e a Gramática eram os três principais tipos de escolas.

    Escolas de canto elementares

    A educação primária, geralmente só para rapazes, centrava-se na leitura e no canto de hinos em latim. Estas escolas estavam geralmente ligadas a uma igreja e eram dirigidas por autoridades religiosas. Os rapazes recebiam uma base básica em latim cantando estes cânticos eclesiásticos latinos.

    Se tivessem sorte e a escola primária de Canto tivesse um padre bem formado, poderiam receber uma educação melhor.

    Escolas monásticas

    As escolas monásticas eram dirigidas por monges ligados a uma determinada ordem, sendo os monges os professores. À medida que o período medieval avançava, as escolas monásticas tornaram-se centros de aprendizagem, onde os rapazes estudavam várias disciplinas para além do latim e da teologia.

    Para além dos textos gregos e romanos, as escolas monásticas ensinavam também física, filosofia, botânica e astronomia.

    Escolas de ensino secundário

    As escolas de gramática ofereciam uma melhor educação do que as escolas de canto elementar e centravam-se na gramática, na retórica e na lógica. O ensino era ministrado em latim. Mais tarde, no período medieval, o currículo foi alargado e incluía ciências naturais, geografia e grego.

    O que é que as crianças aprendiam na Idade Média?

    Os rapazes e as raparigas aprendiam a ler em latim. A maior parte dos textos teológicos e das obras académicas essenciais estavam em latim. Se as mães fossem instruídas, as crianças aprendiam as primeiras competências de leitura com as mães.

    As mulheres estavam muito empenhadas em ensinar os seus filhos a ler, o que era encorajado pela Igreja. Os livros de orações medievais tinham imagens de Santa Ana a ensinar a sua filha, a Virgem Maria, a ler.

    Mais tarde, no final do período medieval, as pessoas começaram a ser educadas também na sua língua materna, o que é conhecido como ensino vernacular.

    A educação inicial estava subdividida em sete unidades de artes liberais, conhecidas como trivium e quadrivium, que constituem a base da escola clássica.

    O trivium da escola clássica consistia na gramática latina, na retórica e na lógica. Os restantes quatro elementos - o quadrivium - eram a geometria, a aritmética, a música e a astronomia. A partir daqui, os estudantes prosseguiam a sua educação através da Igreja, trabalhando como escrivães, ou, se fossem homens, através da universidade.

    O que era o ensino universitário na Idade Média?

    As primeiras universidades da Europa Ocidental foram criadas na atual Itália, no que era então o Sacro Império Romano-Germânico. Entre os séculos XI e XV, foram criadas mais universidades em Inglaterra, França, Espanha, Portugal e Escócia.

    As universidades eram centros de ensino centrados nas artes, na teologia, no direito e na medicina, tendo evoluído a partir das tradições anteriores das escolas monásticas e das catedrais.

    As universidades foram, em parte, uma resposta à procura de um clero mais instruído para difundir a religião católica. Embora as pessoas educadas num mosteiro pudessem ler e executar a liturgia, se se quisesse passar para um nível mais elevado na Igreja, não se podia contar com essa educação primária.

    O ensino era ministrado em latim e incluía o trivium e o quadrivium, embora mais tarde tenham sido acrescentadas as filosofias aristotélicas da física, da metafísica e da filosofia moral.

    Como eram educados os camponeses na Idade Média?

    Como a educação formal era para os ricos, poucos camponeses recebiam a mesma educação. Em geral, os camponeses precisavam de aprender as competências que lhes permitiam trabalhar e adquiriam-nas seguindo os exemplos dos pais na terra e em casa.

    Quando as crianças eram mais velhas, as que não podiam herdar eram normalmente enviadas para se tornarem escravas de um senhor. Enquanto as filhas eram frequentemente casadas, o primeiro filho herdava a terra.

    Os restantes filhos teriam de aprender uma profissão ou trabalhar noutra quinta, na esperança de um dia comprarem as suas próprias terras.

    Normalmente, as crianças eram colocadas em estágios na adolescência, embora por vezes isso acontecesse quando eram mais novas. Em alguns casos, parte do estágio incluía a aprendizagem da leitura e da escrita.

    Se bem que se parta do princípio de que a maioria dos camponeses era analfabeta, tal pressupõe que apenas eram incapazes de ler e escrever em latim, a língua da educação formal; é possível que muitos soubessem ler e escrever na sua língua vernácula.

    Em 1179, a Igreja promulgou um decreto que obrigava todas as catedrais a contratar um mestre para os rapazes demasiado pobres para pagar as propinas. As paróquias e os mosteiros locais dispunham também de escolas gratuitas que ofereciam a alfabetização básica.

    Quantas pessoas foram educadas na Idade Média?

    Ensinando em Paris, num edifício de finais do século XIV Grandes Crónicas de França os alunos com tonsura sentam-se no chão

    Autor desconhecidoAutor desconhecido, Domínio público, via Wikimedia Commons

    Embora o número de pessoas com educação formal fosse mais baixo no início da Idade Média, no século XVII a taxa de literacia era muito mais elevada.

    Veja também: Quem inventou as cuecas? uma história completa

    Em 1330, estimava-se que apenas 5% da população era alfabetizada, mas os níveis de educação começaram a aumentar em toda a Europa.

    Este gráfico do Our World In Data mostra a taxa de alfabetização mundial entre 1475 e 2015. No Reino Unido, a taxa de alfabetização em 1475 era de 5%, mas em 1750 tinha aumentado para 54%. Em contrapartida, a taxa de alfabetização nos Países Baixos começa com 17% em 1475 e atinge 85% em 1750

    Como é que a Igreja influenciou a educação na Idade Média?

    A Igreja tinha um papel dominante na sociedade europeia medieval e o chefe da sociedade era o Papa. A educação fazia, portanto, parte da experiência religiosa - era através dela que a Igreja difundia a sua religião para salvar o maior número possível de almas.

    A educação era utilizada para aumentar o número de membros do clero e para permitir que as pessoas lessem as suas orações. Enquanto hoje em dia, a maioria dos pais quer que os seus filhos sejam bem educados para aumentar as suas hipóteses de uma vida bem sucedida, a educação nos tempos medievais tinha um objetivo menos secular.

    Com o aumento da procura de cargos mais elevados na Igreja, os mestres das escolas da Catedral não conseguiam dar resposta ao número de alunos, pelo que os estudantes abastados contratavam professores, o que veio a constituir a base das posteriores Universidades.

    As universidades começaram a oferecer mais ciências e houve uma mudança gradual do ensino religioso para o secular.

    Conclusão

    Os filhos da nobreza eram os que tinham maior probabilidade de receber educação formal, enquanto os camponeses recebiam educação através de aprendizagem. Na maioria dos casos, os servos não tinham direito à educação. A educação formal começou com a alfabetização em latim e expandiu-se para incluir as artes, a geometria, a aritmética, a música e a astronomia.

    Grande parte da educação formal na Europa medieval era supervisionada pela Igreja Católica e centrava-se em textos eclesiásticos e livros de orações, com o objetivo de difundir o cristianismo e salvar almas, em vez de procurar progredir.

    Referências:

    1. //www.britannica.com/topic/education/The-Carolingian-renaissance-and-its-aftermath
    2. //books.google.co.uk/books/about/Medieval_schools.html?id=5mzTVODUjB0C&redir_esc=y&hl=en
    3. //www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09695940120033243 //www.getty.edu/art/collection/object/103RW6
    4. //liberalarts.online/trivium-and-quadrivium/
    5. //www.medievalists.net/2022/04/work-apprenticeship-service-middle-ages/
    6. Orme, Nicholas (2006), Medieval Schools, New Haven & London: Yale University Press.
    7. //ourworldindata.org/literacia
    8. //www.cambridge.org/core/books/abs/cambridge-history-of-science/schools-and-universities-in-medieval-latin-science/

    Cortesia da imagem de cabeçalho: Laurentius de Voltolina, domínio público, via Wikimedia Commons




    David Meyer
    David Meyer
    Jeremy Cruz, um historiador e educador apaixonado, é a mente criativa por trás do blog cativante para os amantes da história, professores e seus alunos. Com um amor profundamente enraizado pelo passado e um compromisso inabalável de divulgar o conhecimento histórico, Jeremy se estabeleceu como uma fonte confiável de informação e inspiração.A jornada de Jeremy no mundo da história começou durante sua infância, enquanto ele devorava avidamente todos os livros de história que conseguia colocar em suas mãos. Fascinado pelas histórias de civilizações antigas, momentos cruciais no tempo e os indivíduos que moldaram nosso mundo, ele sabia desde cedo que queria compartilhar essa paixão com os outros.Depois de concluir sua educação formal em história, Jeremy embarcou em uma carreira de professor que durou mais de uma década. Seu compromisso em promover o amor pela história entre seus alunos era inabalável, e ele continuamente buscava maneiras inovadoras de envolver e cativar as mentes dos jovens. Reconhecendo o potencial da tecnologia como uma poderosa ferramenta educacional, ele voltou sua atenção para o mundo digital, criando seu influente blog de história.O blog de Jeremy é uma prova de sua dedicação em tornar a história acessível e envolvente para todos. Por meio de sua escrita eloquente, pesquisa meticulosa e narrativa vibrante, ele dá vida aos eventos do passado, permitindo que os leitores sintam como se estivessem testemunhando o desenrolar da história antes.os olhos deles. Seja uma anedota raramente conhecida, uma análise aprofundada de um evento histórico significativo ou uma exploração da vida de figuras influentes, suas narrativas cativantes conquistaram seguidores dedicados.Além de seu blog, Jeremy também está ativamente envolvido em vários esforços de preservação histórica, trabalhando em estreita colaboração com museus e sociedades históricas locais para garantir que as histórias de nosso passado sejam protegidas para as gerações futuras. Conhecido por suas palestras dinâmicas e workshops para colegas educadores, ele constantemente se esforça para inspirar outras pessoas a se aprofundarem na rica tapeçaria da história.O blog de Jeremy Cruz serve como prova de seu compromisso inabalável em tornar a história acessível, envolvente e relevante no mundo acelerado de hoje. Com sua incrível capacidade de transportar os leitores ao âmago dos momentos históricos, ele continua a fomentar o amor pelo passado entre os entusiastas da história, professores e seus ávidos alunos.